Tag archive

Liga NOS

Gil Vicente FC contrata defesa luxemburguês Tim Hall

Agosto 8, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Continuam as apresentações “em catadupa” de novos jogadores para o novo plantel gilista que irá disputar a Liga NOS 2020-2021.



Desta vez foi o defesa luxemburguês Tim Hall, de 23 anos, 1,90m, vindo do Karpaty (Ucrânia).

Internacional A por 3 vezes, o defesa, natural de Esch-sur-Alzette, fez formação no Dudelange, Standard de Liège (Bélgica) e Saarbrücken (Alemanha). Como sénior, iniciou Elversberg (Alemanha), seguindo-se Lierse (Bélgica), Progrès Niederkorn (Luxemburgo) e Karpaty, de onde chega para os gilistas. Esteve presente no Euro 2019 de Sub-21.

Foto: GVFC.

Talocha volta a Portugal pelas mãos do Gil Vicente FC

Agosto 7, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

De manhã Boubacar Hanne, à tarde Talocha. Continua a azáfama pelo Estádio Cidade de Barcelos, com o Gil Vicente FC a apresentar novo reforço para a próxima época. No caso, o defesa lateral Talocha.



Este é um regresso a terras Lusas por parte deste defesa de 30 anos, natural de Vila Nova de Famalicão, de 1,80m e 75kg.

A sua formação e início de carreira sénior foi no FC Famalicão. Seguiram-se FC Vizela e Boavista FC, onde se destacou, de onde saiu para o Atromitos (Grécia), transferindo-se ainda para o Riga FC (Letónia), de onde chega para os gilistas.

Assinou contrato para duas épocas.

Gil Vicente FC contrata avançado Boubacar Hanne (ex-Wolverhampton)

Agosto 7, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Através das suas redes sociais, o Gil Vicente FC anunciou a contratação do avançado (extremo esquerdo) português Boubacar Hanne, que chega dos Sub-23 do Wolverhampton (Inglaterra), assinando contrato para as próximas 3 temporadas.



Natural de Paços de Ferreira, mas com raízes senegalesas, é filho do ex-jogador Hanne Tanou, que fez carreira longa em Portugal. O extremo, de 21 anos, fez a formação no FC Paços de Ferreira, de onde saiu para os Sub-23 do Wolverhampton, engrossando ainda mais a “armada Lusa” de Nuno Espírito Santo. Os ingleses ainda o emprestaram ao Jumilla (Espanha), onde teve a sua época mais produtiva dos últimos anos.

Agora volta ao seu país e a terras do Galo, para ocupar uma posição na frente de ataque gilista.

Foto: GVFC.

Gil Vicente FC apresenta novo reforço: Antoine Léautey

Agosto 6, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Depois de hoje de manhã ter confirmado a contratação do japonês Kenya Fujimoto, o Gil Vicente FC confirmou nova contratação, que já andava nas cogitações da comunicação social: o médio ofensivo/avançado Antoine Léautey.



Este francês, natural de Versailles, tem 24 anos, 1,72m e 63kg.

Chega aos gilistas do Chamois Niortais, que representou por três temporadas. Antes também já tinha representado o US Bologne e o Caen B.

Foto: GVFC.

Gil Vicente FC confirma chegada de Kanya Fujimoto

Agosto 6, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Em nota tornada pública esta manhã, o Gil Vicente FC confirmou a contratação do japonês Kanya Fujimoto, vindo do Tokyo Verdy (Japão). Esta contratação já estava a ser veiculado nalguns órgãos de comunicação social.



Este é um médio de 21 anos, natural de Yamanashi (Japão), com 1,76m e 67kg.

Até agora, o Tokyo Verdy era a sua única equipa. Disputou, pelos Sub-20 japoneses, o Campeonato do Mundo, na Polónia, onde participou em 2 jogos.

Imagem: GVFC (alterada).

Muito aquém do mínimo exigido

Agosto 5, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Ricardo Moreira

Bem-haja, caros leitores do BnH!

Mais uma época muito aquém do esperado!

Desta feita, até ficámos fora do pódio: o que já não acontecia desde os tempos de Godinho Lopes!!! O pior, é que nem sequer é surpreendente!



Sendo o mais honesto possível, não tenho memória do meu Sporting Clube de Portugal ter um plantel tão fraco!!!

Foi uma época, no cômputo geral da qualidade das equipas, pautada por baixo e, mesmo assim, estávamos muito aquém do plantel dos dois primeiros classificados! A diferença de valores individuais no dérbi era brutal, mas o mais notório foi quando os treinadores tiveram que recorrer ao banco: Veríssimo lançou o melhor marcador do campeonato; Rúben Amorim lançou um miúdo de 18 anos com alguns minutos na primeira divisão?!?!

Sempre disse que sou apologista e que muito me agrada o investimento e a oportunidade que se dá aos jovens talentos. Apostar na Academia é primordial para o futuro do nosso Sporting Clube de Portugal. Mas nem tanto ao mar, nem tanto à terra!

Entrámos em campo, no dérbi, com três juniores e com seis jogadores com menos de 22 anos. Num dérbi que precisávamos vencer, é realmente revelador de como tão mal nos encontramos.

Pior de tudo, nem podemos dizer que não investimos. Senão vejamos: gastou-se, no último ano e meio, mais de 43 milhões de euros!!!

O que inclui, por exemplo, 7,8 milhões por Vietto; 5,6 milhões por Rafael Camacho; 5,2 milhões por Rosier; 4,3 milhões por Doumbia; 3,5 milhões por Borja. Para quem perceba o mínimo de futebol, percebe que foram muitos milhões…mal gastos.

Sem dúvida que vivemos um dos piores momentos da história do Clube, com o ataque à Academia ainda como “pano de fundo”!

Tudo junto, lá está, e com mais de 43 milhões de euros gastos, o que é um valor relevante (sobretudo para um clube, como o nosso, em crise) e que obrigava a ter outro tipo de escolhas.

Como se não chegasse, dos 7 reforços contratados no verão, nenhum acabou a época a titular!

Infelizmente, a política desportiva do clube tem sido desastrosa. Más contratações, enfraquecimento do plantel e quatro (sim, quatro!) treinadores numa temporada! Onde acabámos por contratar Rúben Amorim por 10 milhões!!! Ao clube que acabou, precisamente, por terminar em 3° lugar. Está quase tudo a ser mal feito, portanto.

O quarto lugar só pode, por isso, surpreender os mais distraídos.

A verdade é que não se vê um rumo no meu Sporting Clube de Portugal. Também não se encontra o que realmente precisamos: uma boa gestão desportiva.

Os resultados desportivos são apenas consequência natural das más políticas, do mau investimento, de todo um sem rumo em que nos encontramos e que, infelizmente, parece sem fim à vista!

No fim, e isto é que nesta altura interessava, era importante, pelo menos, haver consequências. O pior para nós, Sporting Clube de Portugal, é voltar a considerar que uma época destas é normal, que correu mal, paciência. Foi uma época desastrosa!!! Não, não pode ser normal. Não, não pode ser: correu mal, paciência. Tem que se exigir muito mais. Obviamente que sem qualquer tipo de violência! Mas exigir muito mais! Tem que haver consequências de uma época tão desastrosa!

Mas…com toda a sinceridade, infelizmente, consequências é coisa que parece que não nos assiste neste momento!

E quando até o 4° lugar já parece normal no nosso Sporting Clube de Portugal, algo vai muito mal no reino do meu Leão!

Desporto é Vida! Vive o Desporto com Respeito e Fair-Play!

Por: Ricardo Moreira*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Gil Vicente FC confirma Rui Almeida no comando técnico para a próxima época

Agosto 3, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Em nota divulgada nas suas redes sociais, o Gil Vicente FC confirmou, hoje, a contratação de Rui Almeida para treinador da equipa que disputará a Liga NOS 2020-2021. Foi a confirmação do nome que já se vinha falando há semanas, ainda a Liga anterior não tinha sido concluída.



Rui Almeida é natural de Lisboa e tem 50 anos.

Como percurso profissional, treinou as camadas jovens do CAC, Atlético CP, SL Benfica. Foi Coordenador Técnico na Associação de Futebol de Lisboa. Como treinador adjunto, trabalhou no Estoril, Trofense, Panathinaikos (Grécia), Sporting CP, SC Braga e Zamalek (Egito). Como treinador principal, trabalhou na Seleção da Síria (Sub-23), Red Star (França), Bastia (França), Troyes (França) e Caen (França).

Tem, agora, a oportunidade de treinar, enquanto técnico principal, na Liga Portuguesa.

Foto: GVFC (alterada).

E tudo o COVID levou

Julho 31, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Hugo Pinto

Esta semana, em que perdemos Olivia de Havilland, a última atriz viva de “E tudo o vento levou”, um título em forma de singela homenagem, adaptado à realidade do universo benfiquista em 19/20.



Em bom rigor, os ventos de mudança começaram a fazer-se notar ainda antes deste pegajoso vírus ter chegado a Portugal. Já em janeiro, as tropas de Bruno Lage haviam começado a dar sinal de desmobilização. Aliás, ainda em agosto de 2019, após o banho de bola que levámos frente ao Porto, depois justificado por Bruno Lage com o abuso em passes verticais (em futebolês-Manuel-Machadez), logo se percebeu que algo não ia muito bem.

E a verdade é que todos fizemos de conta que não. Que estava tudo bem. As coisas foram correndo mais ou menos e a certa altura até estávamos com sete pontos de avanço sob o rival direto. Foi também por volta desta altura que Sérgio Conceição teve uma travadinha, e tendo os burros na água, fez uma birra. Em boa hora. Pois pôs a “estrutura” a dar corda aos sapatos e a arrumar a casa. O resultado foi o que se viu.

Agora, depois de cerradas as cortinas da época 19/20, depois de Bruno Lage ter visto o seu comando chegar ao fim, fica um pouco a ideia que, entre outras coisas que faltaram e que já tivemos a oportunidade de aqui abordar, talvez a salvação de Bruno Lage tivesse passado por fazer uma briga à lá Sérgio.

E em ambiente eleitoral, não faltam aí candidatos à presidência do Benfica. Confesso que a este respeito não tenho grande opinião. Um pouco à imagem da própria Liga, parece-me que vamos ter de escolher o menos mau de entre os maus. Pouco mais tenho a dizer. Mas acima de tudo, não quero à frente do meu clube nenhum fulanete com tique de mafioso. Ao contrário do que é apanágio noutros clubes e noutros adeptos, no Benfica ainda não Vale Tudo.

Resta-nos esperar o prémio de consolação que é a Taça de Portugal. E que a próxima época seja francamente melhor. E eu, nunca o escondi, tenho fé em Jesus.

Viva o Benfica

E pluribus unum

Por: Hugo Pinto*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Equipa sensação deste ano

Julho 30, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Lucy Santos

Olá a todos os leitores do BnH!

O objetivo desta época está concluído e jogámos estes 2 últimos jogos, não só para cumprir calendário, como também, deixar a última impressão, que é bastante importante.



Faltava jogar com o Belenenses, fora, e com o Paços de Ferreira, em casa.

Não iam ser jogos fáceis e a manutenção para o Belenenses ainda não estava garantida. Não foi um jogo “por aí além”, podíamos ter feito mais e melhor, criámos algumas oportunidades de golo, principalmente na primeira parte. No entanto, o Belenenses foi o contemplado a chegar à baliza do Gil Vicente e marcou, aos 88 minutos, o golo da vitória.

O jogo com o Paços de Ferreira foi o último, e bastante intenso. Duas equipas que jogavam sem objetivo, porque a manutenção estava garantida para ambas, e deram tudo nos 90 minutos de jogo. Num total de 6 golos, 3 para cada lado. O Gil Vicente acabou a época empatado com o Paços no último jogo da Liga NOS, no estádio Cidade de Barcelos.

O Paços de Ferreira adiantou-se no marcador aos 10 minutos, mas o Gil Vicente correu atrás e Rodrigo fez o golo da igualdade, aos 16m, e Kraev, logo a seguir, aos 20m, colocou os Galos em igualdade.

A resposta do Paços de Ferreira não tardou e Douglas Tanque fez o tiro certeiro para o empate. Íamos para o intervalo empatados a 2-2.

Os pacenses entraram melhor na segunda parte e apontaram o golo em contra-ataque, por Matchoi, que colocava o Paços em vantagem. O Gil não baixou os braços e continuava, ainda, com dificuldade a querer chegar à baliza adversária. Lourency entrou e marcou um belo golo que dividiu os pontos para as duas equipas. Ficaram, assim, na igualdade, com a promessa de se voltarem a reencontrar na I Liga na próxima época.

Foi uma época diferente do habitual, intensa, sem adeptos, mas que mostrou que esta equipa chegou, não se limitou a ficar a ver, jogou e alcançou uns 43 pontos, em que muitos poderiam apostar que seríamos a primeira equipa condenada a descer.

Um plantel, todos diferentes uns dos outros, ninguém se conhecia, mas com o maestro Vítor Oliveira a comandar (e que bem) a equipa que, por mim, é a equipa sensação deste ano.

O Mérito é vosso, o orgulho é nosso.

Obrigado 🙏!

Por: Lucy Santos*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Gil Vicente FC fecha a época com empate a 3 frente ao FC Paços de Ferreira

Julho 25, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Jogo marca a despedida de Vítor Oliveira e de alguns jogadores

Disputou-se ontem o último jogo desta Liga NOS para o Gil Vicente FC e FC Paços de Ferreira, no Estádio Cidade de Barcelos, com o empate a 3 golos a constar no marcador após o término da partida



Com arbitragem de Iancu Vasilica (AF Vila Real), auxiliado por Bruno Trindade e Tiago Mota, com Fábio Melo (AF Porto), o jogo contou com os seguintes alinhamentos:

Gil Vicente FC – Denis, Alex Pinto (Fernando Fonseca, 81’), Rodrigo, Ygor Nogueira e Rúben Fernandes (Edwin Vente, 83’), Soares (João Afonso, 64’), Kraev (Vítor Carvalho, 81’), Claude Gonçalves e Rúben Ribeiro, Samuel Lino (Lourency, 64’) e Hugo Vieira. No banco ficaram Bruno e Ahmed Isaiah.

FC Paços de Ferreira – Marco Ribeiro (José Oliveira, 89’), Bruno Santos, Marco Baixinho, Maracás e Reabciuk, João Amaral (Luiz Carlos, 89’), Stephen Eustáquio, Pedrinho (Diaby, 66’) e Adriano (Uilton, 74’), Matchoi (Hélder Ferreira, 66’) e Douglas Tanque. No banco ficaram André Micael, Bruno Teles, Welthon e Vasco Rocha.

Este jogo marcou a despedida do treinador Vítor Oliveira do comando técnico do Gil Vicente FC. O técnico matosinhense, que esta época regressou aos gilistas, pela terceira vez, para o regresso do Gil Vicente à Primeira Liga pela via administrativa devido à decisão judicial do “caso Mateus”. Vítor Oliveira tinha a espinhosa missão de construir uma nova equipa para os gilistas, que teve de se readaptar dos distritais para a realidade da principal competição do futebol nacional, com o plantel praticamente construído do zero.

O jogo começou calmo e com as duas equipas as estudarem-se mutuamente. A primeira oportunidade de golo foi para os forasteiros. O Paços de Ferreira, por intermédio de Pedrinho, num livre direto, a obrigar Denis a uma grande defesa para canto. Na sequência do lance, o Paços chega ao golo, aos 10 minutos de jogo. Canto batido por João Amaral, da direita, e o cabeceamento de Maracás para o primeiro golo do jogo.

O Gil respondeu aos 15 minutos com o golo do empate. Livre batido da direita, por Rúben Ribeiro, e Rodrigo, também de cabeça, a colocar a bola no fundo da baliza pacense, sem qualquer hipótese para o guarda-redes Marco Ribeiro.

E aos 21 minutos, o Gil chega mesmo à vantagem. Contra-ataque rápido, com Rúben Ribeiro a conduzir a bola da esquerda para o meio, a driblar um adversário e rematar para defesa do guardião Marco, mas na recarga, Kraev cabeceou para o 2-1.

Pouco depois, o Paços chega novamente ao empate, aos 28 minutos, por Douglas Tanque, que aproveitou um passe vindo da direita para “fuzilar” a baliza de Denis.

Até ao intervalo, o jogo foi divido, mas bastante disputado por ambas as equipas e o resultado ajustava-se.

O Paços entrou forte no segundo tempo e, aos 48 minutos, marcou numa jogada rápida sobre a esquerda, Tanque cruza a meia-altura para João Amaral, que falha a finalização à boca da baliza, mas no ressalto, a bola sobra para Matchoi, que rematou forte e colocou o Paços de Ferreira na frente do marcador.

O Gil respondeu com uma jogada de insistência de Lourency, acabadinho de entrar. Este rematou ao poste da baliza do Paços de Ferreira.

Aos 68 minutos, o Gil chega mesmo ao empate. Canto batido da esquerda por Rúben Ribeiro, Rodrigo cabeceia ao primeiro poste e Lourency, que entrou na partida a todo o vapor, emendou, “à boca da baliza” restabelecendo o empate a 3 bolas.

O jogo voltou a estar dividido, com o Gil a ter uma ligeira vantagem nas despesas de jogo, mas o resultado não mais se alterou até final.

Final de época para o Gil Vicente FC que, não será descabido dizer, ultrapassou todas as melhores – e reais – expectativas, batendo mesmo o seu recorde de pontos: 43, fechando o top-10 da classificação final.

Agradecemos a todos os nossos leitores por acompanharem estas nossas reportagens sobre a prestação do Gil Vicente FC na Liga NOS 2019/2020.

1 2 3 7
Ir Para Cima