Tag archive

Lucy Santos

De volta, com Dito na memória e três pontos amealhados

Setembro 30, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Lucy Santos

Estamos de volta! Nova época, ainda atípica, mas com a certeza que o apoio estará sempre com o clube.

Da época anterior, ficamos sem alguns jogadores e sem o treinador, que teria sido um grande peso na excelente época que fizemos. Esta época, temos um novo mister e alguns reforços. Não temos assim muitas referências de Rui Almeida, sabemos que terá a sua primeira experiência como treinador principal em Portugal e nos últimos 5 anos percorreu o segundo escalão do futebol francês.



A nossa época não começou nada bem. Aquando do estágio em Melgaço, o nosso diretor-geral, Dito, sentiu-se mal e acabou por não resistir, deixando um nó na garganta difícil de desatar e um vazio no clube, pelo menos é isso que sentimos até então. Dito ajudou o Gil Vicente a construir uma equipa de raiz para assinalar o regresso ao principal escalão de futebol. Fica na memória de todos nós a excelente pessoa e excelente profissional que é.

Ainda não desfeitos deste vazio deixado e a praticamente duas semanas antes do campeonato, vimo-nos deparados com 10 jogadores infetados, e alguns elementos do staff, com o novo coronavírus. Seguia-se a quarentena e os elementos testados negativos viram-se impedidos de treinar para defrontar o SC Portugal. No dia anterior, a primeira jornada ficou adiada. Íamos jogar a segunda jornada, em nossa casa, com o Portimonense, se tudo corresse bem. E correu.

Jogámos no passado sábado, às 16h00, e com uma nova homenagem a Dito. O que é certo é que todos carregaram Dito nas costas e os primeiros 3 pontos foram para a equipa de Barcelos.

Rui Almeida manteve Denis na baliza e iniciámos o jogo com Joel Pereira, o capitão Rúben Fernandes, Ygor Nogueira, João Afonso, Talocha, Claude Gonçalves, Lucas Mineiro, Antoine, Miullen e Samuel Lino.

Rui Almeida arrancou no campeonato com três centrais. Durante a partida, Samuel Lino era o que mais fazia tremer a equipa do Portimonense e Denis mostrou que defendia as suas redes, e bem, quando defendeu a grande penalidade assinalada contra a equipa de Barcelos. Muito antes disso, já o Gil Vicente mostrava que quem mandava em Barcelos era a equipa da casa e era a que dispunha das melhores oportunidades.

Na segunda parte, e numa jogada vinda de Antoine, passando por Miullen, apareceu Lino que finalizou e abriu o marcador.

Rui Almeida foi refrescando jogadores e o Portimonense começou a criar mais oportunidades, mas foi o Gil Vicente que conseguiu segurar o resultado e arrecadar os três primeiros pontos.

Foi de mérito esta vitória, dado que, por conta dos elementos infetados por COVID, tivemos poucos treinos e alguns jogadores recuperaram apenas 48h00 antes e estavam aptos a jogar.

Temos uma equipa nova, um treinador novo, mas que promete lutar para depressa alcançarem os 30 pontos para a manutenção. Com suor, trabalho e eficácia conseguiremos alcançar depressa o objetivo. O próximo jogo e, vejam só, já com adeptos na Ilha dos Açores esperamos uma brilhante exibição dos nossos jogadores e que possamos pontuar neste terreno, nada fácil.

É difícil assistir ao nosso Gil através de uma TV, mas, para já, terá de ser assim, apesar de que, estou esperançosa que, brevemente, voltemos a sentir o futebol onde ele deve ser vivido: nas bancadas.

E espero ver-vos lá, a apoiar o nosso clube, em segurança.

Sintam o Gil 💝

Por: Lucy Santos*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Equipa sensação deste ano

Julho 30, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Lucy Santos

Olá a todos os leitores do BnH!

O objetivo desta época está concluído e jogámos estes 2 últimos jogos, não só para cumprir calendário, como também, deixar a última impressão, que é bastante importante.



Faltava jogar com o Belenenses, fora, e com o Paços de Ferreira, em casa.

Não iam ser jogos fáceis e a manutenção para o Belenenses ainda não estava garantida. Não foi um jogo “por aí além”, podíamos ter feito mais e melhor, criámos algumas oportunidades de golo, principalmente na primeira parte. No entanto, o Belenenses foi o contemplado a chegar à baliza do Gil Vicente e marcou, aos 88 minutos, o golo da vitória.

O jogo com o Paços de Ferreira foi o último, e bastante intenso. Duas equipas que jogavam sem objetivo, porque a manutenção estava garantida para ambas, e deram tudo nos 90 minutos de jogo. Num total de 6 golos, 3 para cada lado. O Gil Vicente acabou a época empatado com o Paços no último jogo da Liga NOS, no estádio Cidade de Barcelos.

O Paços de Ferreira adiantou-se no marcador aos 10 minutos, mas o Gil Vicente correu atrás e Rodrigo fez o golo da igualdade, aos 16m, e Kraev, logo a seguir, aos 20m, colocou os Galos em igualdade.

A resposta do Paços de Ferreira não tardou e Douglas Tanque fez o tiro certeiro para o empate. Íamos para o intervalo empatados a 2-2.

Os pacenses entraram melhor na segunda parte e apontaram o golo em contra-ataque, por Matchoi, que colocava o Paços em vantagem. O Gil não baixou os braços e continuava, ainda, com dificuldade a querer chegar à baliza adversária. Lourency entrou e marcou um belo golo que dividiu os pontos para as duas equipas. Ficaram, assim, na igualdade, com a promessa de se voltarem a reencontrar na I Liga na próxima época.

Foi uma época diferente do habitual, intensa, sem adeptos, mas que mostrou que esta equipa chegou, não se limitou a ficar a ver, jogou e alcançou uns 43 pontos, em que muitos poderiam apostar que seríamos a primeira equipa condenada a descer.

Um plantel, todos diferentes uns dos outros, ninguém se conhecia, mas com o maestro Vítor Oliveira a comandar (e que bem) a equipa que, por mim, é a equipa sensação deste ano.

O Mérito é vosso, o orgulho é nosso.

Obrigado 🙏!

Por: Lucy Santos*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Parabéns pela manutenção!

Julho 17, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Lucy Santos

Olá a todos os leitores do BnH!

Juntei os dois jogos, com o Vitória, em Guimarães, e com o Tondela, em casa. Ganhámos os dois! Surpresos? Pois…Que equipa, que clube! Sabem aquele amor sem explicação? É o que eu sinto pelo meu clube.



Fomos a Guimarães defrontar o Vitória e ganhámos. Além da vitória, trouxemos a permanência na bagagem. Duas equipas que lutavam para ganhar: o Gil Vicente para garantir a permanência e o Vitória para igualar o Famalicão no 5° lugar.

O jogo começou a uma hora bastante cedo (17h). Pelo calor que se fazia sentir, e talvez por isso, o ritmo do jogo também não foi muito alto. Tivemos um jogo equilibrado na primeira parte, com oportunidades de golo para ambas as equipas.

Na segunda parte, o Vitória foi o primeiro a marcar, aos 60 minutos, mas a resiliência do Gil Vicente e a atitude dos jogadores fizeram-nos chegar ao empate já na altura dos descontos. Aos 93 minutos, Rúben Ribeiro empatava a partida, merecidamente. Quando já estávamos com um ponto na bagagem para Barcelos, aparece Kraev, num remate cruzado, e faz o golo da vitória. Foi merecido, não baixámos os braços e, mesmo estando a perder até quase ao final, mostrámos a equipa organizada, disciplinada que estávamos habituados a ver antes desta pandemia.

Na terça-feira passada, recebemos o Tondela, num jogo nada fácil.

Mas como a permanência já estava garantida, fomos a jogo tranquilos, ao contrário do Tondela, que precisava de pontuar. Fomos quase sempre superiores.

Aos 29 minutos, num grande golo apontado por Rúben Ribeiro, fora da área, estava aberto o marcador, com o Gil Vicente em vantagem.

Na segunda parte, e com a equipa da casa a ter as melhores oportunidades, o capitão Rúben Fernandes aproveitou o canto para fazer o 2-0. Pouco depois, aos 64 minutos, foi a vez de Kraev apontar para o 3-0, numa jogada coletiva.

Estava tudo controlado, achávamos nós, do lado de fora. Víamos um Gil Vicente a controlar o jogo, mas o Tondela aproveitou canto para reduzir a vantagem para o 3-1. Não satisfeitos, os visitantes estavam então mais em cima do Gil Vicente que, a seis minutos, viam a vantagem a ser diminuída com o golo de Philipe Sampaio.

Emocionante este jogo, que terminou com a vitória, justíssima, do Gil Vicente.

Pessoal, a manutenção está garantida, esta equipa está de parabéns, o mister teve todo o mérito porque foi ele quem comandou estes jogadores e acho que estamos todos de parabéns. Parabéns pela manutenção!

O próximo encontro é domingo com…o Belenenses!

Continuem a apoiar a equipa.

Rumo aos 10000 sócios.

Até domingo!

Por: Lucy Santos*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Estamos com 36 pontos e quase a garantir a manutenção

Julho 10, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Lucy Santos

Olá a todos os leitores do BnH.

Domingo, recebemos o Rio Ave e ficaram cá os 3 pontos merecidos, perante um adversário bastante difícil.



O Rio Ave foi a primeira equipa a criar perigo aos 13 minutos, mas logo a seguir, o Gil Vicente respondeu com uma jogada de Lourency para Rúben Ribeiro. Este remate foi afastado para canto.

Algumas situações de perigo do Rio Ave, mas, aos 37 minutos, foi a vez de Sandro Lima tentar o remate, mas sem sucesso.

Aos 39 minutos, foi o cabeceamento de Rodrigo que deu origem ao único golo da partida, num canto batido por Rúben Ribeiro.

Quase em cima do intervalo, numa boa jogada de Lourency, finalizou para Sandro Lima, mas este não chegou a tempo de rematar, indo para intervalo a vencer por 1-0.

Aos 54 minutos, o capitão Rúben Fernandes viu ser-lhe mostrado o segundo amarelo por falta sobre Taremi e ficámos reduzidos a dez unidades.

Com isto, tivemos que recuar para tentar organizar o jogo e defender o resultado.

Nesta segunda parte, o árbitro assinalou grande penalidade a favor do Rio Ave por suposta falta de Lourency sobre Gelson Dala. Após indicação do VAR, e depois do árbitro ter ido ver as imagens, anulou o penalty e o consequente cartão amarelo que tinha sido mostrado ao nosso jogador.

O Rio Ave continuou a tentar o empate, mas o Gil Vicente, aos 90 minutos, quase que matava o jogo, através de um remate de Lino, na área, cruzado, com a bola a sair perto do poste.

Foi um jogo difícil, perante um adversário difícil, mas deste lado estava um Gil Vicente organizado, com atitude, a pressionar o adversário.

Neste momento, estamos com 36 pontos e quase a garantir a manutenção.

Hoje, vamos a Guimarães defrontar o Vitória para mais uma final.

Antes do jogo com o Rio Ave, várias dezenas de adeptos receberam os jogadores quase à chegada do Estádio com aplausos e gritos de apoio.

Talvez tivesse sido este o momento extra que levou a equipa à vitória? Não sabemos. Sei, sim, que os adeptos são a peça fundamental num estádio e se não podemos lá estar, podemos, pelo menos, fazer chegar o nosso apoio à equipa.

Como? Com mensagens.

Somos Barcelos 💖

Por: Lucy Santos*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Sinto-me orgulhosa desta equipa!

Julho 4, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Lucy Santos

Olá a todos os leitores do Barcelos na Hora!

Na passada quarta-feira, o Gil Vicente deslocou-se a Alvalade para defrontar o Sporting CP, para mais uma final rumo ao objetivo final. Já sabíamos que ia ser um jogo difícil, até porque o Sporting está a passar uma fase boa, com o excelente trabalho de Rúben Amorim, mas também o Sporting não teria um trabalho muito fácil com esta equipa liderada, e muito bem, pelo mister Vítor Oliveira.



Aos 20 minutos, o marcador avançava para o 1-0 para a equipa da casa. Plata levou a bola até à linha de fundo, Wendel recolheu e rematou para a baliza de Denis. O Sporting insistia sempre pelo lado direito, o flanco onde estavam Ristovski e Plata.

O Gil Vicente respondeu, quase imediatamente, com um golo de Sandro Lima que viria a ser anulado como fora de jogo. A nossa equipa de Barcelos tentou o empate com um belo remate à baliza de Lourency, sendo defendido por Maximiano.

Ao início da segunda parte, Wendel apareceu isolado, próximo de Denis, mas este conseguiu desviar, evitando assim o golo. Logo a seguir, Plata fez o 2-0 num lance infeliz de Claude, que viria a ser fatal.

A partir daí, notava-se a tranquilidade da equipa da casa, ao vencer por 2-0, com um Gil Vicente sempre a pressionar, mas sem sucesso. Aos 89 minutos, Hugo Vieira foi derrubado por Doumbia na área, fazendo grande penalidade. Rúben Ribeiro, que já esteve ao serviço da equipa de Alvalade, aproveitou e marcou, reduzindo a vantagem para o 2-1.

Foi um bom jogo! Apesar do resultado, estivemos bem em campo, pressionámos, tivemos atitude, mas o resultado não ditou a nosso favor. Sinto-me orgulhosa desta equipa!

No próximo domingo (amanhã), temos mais uma final a ser disputada, em casa, com o Rio Ave, às 17h00.

Continuem a apoiar este grande clube, que tem feito uma excelente época e merece todo o apoio da nossa cidade.

Até domingo!

Por: Lucy Santos*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Nunca caminharão sozinhos!

Junho 29, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Lucy Santos

Olá a todos os leitores do BnH!

No passado domingo jogámos em casa, com o Desportivo das Aves. Não estávamos a passar por um bom momento, mas era uma situação pontual porque a equipa, até agora, tinha dado provas que vinha para a primeira Liga para ficar. Esta situação pós-COVID, não é uma situação fácil para nenhuma equipa devido a toda esta situação e ao tempo que estiveram “parados”. Mas era inevitável: os resultados tinham de começar a aparecer.



Vítor Oliveira apostou no mesmo onze do último jogo, mas viu o seu Gil Vicente nas bancadas do Cidade de Barcelos, devido ao castigo.

Henrique Gomes abriu o marcador aos 10 minutos, na sequência de um canto batido por Kraev. O búlgaro ia fazer o segundo golo da partida, aos 12 minutos, mas foi anulado por fora de jogo.

Aos 21 minutos, Rúben Ribeiro obrigou o guarda-redes do Aves a uma grande defesa, com um cabeceamento ao segundo poste. Aos 36 minutos, o mesmo jogador volta à carga e aumenta a vantagem para o Gil Vicente. Íamos para o intervalo com uma boa vantagem, por 2-0.

Na segunda parte, e após 2 substituições, o Desportivo das Aves quis começar a dominar o jogo e aumentou a posse de bola e várias aproximações à baliza de Denis. Aos 84 minutos, foi a vez do Aves ver, também, um golo anulado por fora de jogo. Nos últimos minutos da partida, Samuel Lino fez o terceiro e último golo do jogo.

O Gil Vicente segue para a próxima jornada com uns, quase tranquilos, 33 pontos.

No final do jogo, o momento foi mágico!

Os jogadores foram ter com os “adeptos” que estavam presentes na bancada, da claque “Nação Barcelense”. Naidji avançou o gradeamento, tirou a baqueta do “adepto” que “tocava” bombo e entoou a batida que é costume os adeptos fazerem no final do jogo. Realmente, este momento foi mágico! Posso colocar este vídeo já a seguir, que merece ser visto. Isto mostra, assim, a união do clube e os adeptos. Porque em momento algum deixamos a equipa só. Nunca caminharão sozinhos.

Na próxima quarta-feira temos mais uma deslocação ao Sporting, às 21h15.

Obrigada pelo apoio que se tem visto à equipa nas redes sociais.

Por: Lucy Santos*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Vamos ajudar o clube a chegar aos 10.000 sócios?

Junho 19, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Lucy Santos

Olá a todos os leitores do BnH.

Esta segunda-feira, o Gil Vicente deslocou-se à Madeira para defrontar o Marítimo. Jogar no campo deste adversário não é fácil. E as estatísticas não sopravam a nosso favor. Em 18 confrontos, vencemos apenas 1, tendo empatado 4 vezes.



Na primeira parte entrámos muito bem no jogo e não se adivinhava esta reviravolta.

Aos 8 minutos já nos estreávamos no marcador com um golo de Kraev.

Nesta primeira parte, várias vezes, Denis foi o protagonista do jogo, fazendo grandes defesas. Porém, aos 30 minutos, Rodrigo Pinho fez o golo do empate, mas o mesmo foi para o VAR, para ser validado.

O apito para o intervalo ainda não estava dado e Denis continuava a defender as suas redes. E que bem! Brilhantes defesas!

Ainda nos descontos da primeira parte, e resultado de um canto, Rodrigo fez um autogolo, colocando os insulares a vencerem a partida.

Na segunda parte, o Marítimo continuou a carregar na baliza de Denis no período inicial. Como estava em vantagem no marcador, tirou o pé do acelerador, perdendo bastante tempo durante toda a segunda parte. O Gil ainda tentava entrar na grande área do Marítimo, mas não obteve grandes resultados porque a equipa da casa estava toda recuada.

Aos 85 minutos, voltou a emoção, com um penalty a favor do Gil Vicente. Sandro Lima bateu, mas não conseguiu furar as redes.

Era uma boa vitória perante um adversário que também precisava de pontuar, mas que, ao invés de jogar na segunda parte, foi-se arrastando, agarrando-se ao resultado.

O próximo jogo será mais uma final.

O jogo é domingo, em casa, com o Desportivo das Aves, às 21h00.

Esta semana também ficou marcada pelas eleições dos órgãos do Gil Vicente e pela cerimónia da tomada de posse. Houve apenas uma lista, a lista A, que manteve a mesma direção. Foram votar apenas 119 sócios (muito pouco). Os resultados foram os seguintes: votantes 119 sócios, que ditaram 1304 a favor, 33 brancos e 20 Nulos.

Estou feliz, satisfeita e otimista nesta Direção. É uma direção idónea, responsável, com carácter e tem tudo para ser uma grande base para começar a reconstruir o nosso clube. E nós? Vamos ajudar o clube a chegar aos 10.000 sócios?

SOMOS GIL!!

Por: Lucy Santos.*

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Apoiemos a equipa nas redes sociais

Junho 14, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Lucy Santos

Olá a todos os leitores do BnH.

Esta semana jogámos em casa e em derby minhoto. Recebemos um bom adversário, o Famalicão, continuadamente à porta fechada. Mas até quando?



O Famalicão, embora não ache que tenha sido a equipa sensação, está a fazer um excelente campeonato, fruto de grande investimento no clube. Esperávamos um jogo difícil (mas nem tanto); embora o fator casa pudesse ser benéfico para o Gil Vicente, isso não aconteceu.

O placard abriu aos 10 minutos com um penalty a favor do Famalicão, sobre Toni Martínez. Fábio Martins foi o marcador.

Aos 42 minutos, foi a vez de Diogo Gonçalves aumentar a vantagem num cruzamento realizado por Toni Martínez.

Já na parte final, Hugo Vieira diminuiu a vantagem, num cruzamento de Henrique Gomes. Começávamos a tentar dar resposta a um Famalicão organizado e destemido, quando sofremos novamente um golo, que veio “matar” o jogo.

O jogo não é muito difícil de resumir. Este Gil Vicente não é, de todo, o Gil Vicente que estamos habituados a ver. Será, talvez, pela paragem do campeonato ou pela confiança de pensar que a manutenção já estava garantida? Uma coisa é certa. Precisamos de fazer pontos e aumentar a qualidade escondida deste novo Gil Vicente pós-pandemia.

Na primeira parte não conseguimos chegar à baliza do Famalicão. Na segunda parte, notou-se uma ligeira melhoria, mas não foi a suficiente para conquistarmos pontos frente a um forte Famalicão. Vítor Oliveira foi o primeiro treinador a beneficiar das 5 substituições. O treinador acha que não faz qualquer sentido de as usar agora na reta final e alterar, assim, as regras nesta prova profissional.

Segunda-feira temos mais uma deslocação difícil, desta vez ao Marítimo. Apelo a todos pelo apoio à equipa nas redes sociais para eles sentirem o calor dos adeptos, embora não físico, mas acredito que fará toda a diferença.

Espero que, brevemente, possamos assistir aos jogos no Estádio Cidade de Barcelos com todas as devidas regras de segurança.

Não posso terminar esta crónica sem frisar o apoio dos “adeptos” que estiveram presentes neste jogo, “dentro” e fora do estádio. Bandeiras, megafone, bombo e adeptos “estiveram” nas bancadas, como sempre, a apoiar a equipa. O som dos adeptos vinha de fora do estádio, entoando cânticos. Seja qual for a situação, a equipa precisa de apoio e esse nunca faltou à nossa equipa. Deixo, se me permitirem, a foto dos adeptos dentro do estádio.

Continuem desse lado, sempre com o “bichinho” pelo Gil Vicente, o clube da nossa cidade. Deixem, também, o vosso feedback ao artigo nos comentários.

Somos Gil ❤️!

Por: Lucy Santos*.

Foto: DR.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

A longa paragem do campeonato sentiu-se durante o jogo

Junho 7, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Lucy Santos

Olá a todos os leitores do BnH!

Estamos de volta, finalmente!



Vamos acompanhando o nosso clube através da TV e das notícias que saem nas redes sociais para segurança de todos. Não é fácil. Ver jogos de futebol é nas bancadas. Decidiram prosseguir com os jogos de futebol, com a certeza que todos os jogadores treinavam em segurança e fazendo testes COVID antes dos jogos. Há algumas semanas atrás, a minha certeza era dar por terminada a época e não havia vencedores, nem vencidos. Mas agora, estando esta situação mais ou menos controlada e respeitando todas as questões de segurança, pergunto: porque não? E porque não abrir os estádios com 10% ou 20% da capacidade total? Um estádio sem adeptos é o quê? Não faz sentido! Vê-se noutros espetáculos, tudo cheio e ninguém fez reflexão…Será isto tudo um jogo de interesses?

Vamos ao que interessa. O campeonato recomeçou de onde tinha terminado com o jogo contra o Portimonense. O nosso estádio, depois de alguns pontos reajustados, estava apto para se jogar lá. Mas nesta jornada, seria fora.

Depois dos testes terem dados negativos, estávamos aptos para nos deslocarmos a Portimão, conquistar os três pontos e ficarmos mais perto da manutenção.

Entrámos bem no jogo e em campo mostrámos bem a nossa tranquilidade na tabela classificativa.

Nos primeiros dez minutos, já tínhamos atacado a baliza do Portimonense por duas vezes, por Sandro Lima, e um remate cruzado de Rúben Ribeiro. A longa paragem no campeonato claro que se sentiu durante o jogo e contribuiu para algumas situações que podiam ter feito mais, mas foi um bom início de jogo. O Portimonense foi reagindo aos poucos e criando algumas situações perto da baliza de Denis, mas com as bolas a serem cortadas pelos defesas do Gil Vicente. Logo no início da segunda parte, o Portimonense veio com a mira afinada e apontou o golo da vitória, que fez com que Denis ficasse sem reação porque não havia nada a fazer. Depois do golo, vimos um adversário com mais moral e um Gil a tentar correr atrás do prejuízo, mas não conseguiu porque o Portimonense esteve ligeiramente superior nesta segunda parte.

Foi um bom jogo, após a paragem do campeonato, mas notam-se algumas lacunas, normais devido às circunstâncias.

O próximo jogo é já na próxima terça-feira, em casa, com o Famalicão. Uma coisa vos peço, em segurança e como puderem, façam sentir o vosso apoio ao Gil Vicente, quer em casa, quer nas redes sociais. Mantenham viva a grande época que o Gil fez e o que nós, adeptos, fizemos também!

Somos Gil!

Por: Lucy Santos*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Vítor Oliveira: a melhor e a mais acertada contratação desta época

Abril 10, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Lucy Santos

Olá a todos os leitores do BnH!

Espero que todos os leitores se encontrem bem, dentro dos possíveis.

O campeonato está parado, mas venho cá trazer-vos alguma ideias.



O Gil Vicente, esta época, teve uma tarefa difícil logo ao começar, com uma equipa toda nova e adivinhavam-se tempos difíceis e de incertezas de uma época que poderia dar para o bem ou para o mal. Não é fácil criar uma equipa de raiz, mas a direção foi buscar, talvez, a grande contratação desta época e que, até agora, fez tremer os grandes e quase que já temos a manutenção garantida.

Falemos, então, da nossa equipa.

Temos 4 guarda-redes: Denis, Wellington, Bruno e Brian. Estes dois últimos não jogaram qualquer jogo, nem no campeonato, nem em jogos das Taças. O Bruno ainda foi opção para Vítor Oliveira nos jogos de pré-época, mas não passou disso. O Brian é um dos nossos da formação Gilista e, na época passada, foi uma figura de destaque dos juniores e talvez se o Gil Vicente tivesse feito os sub-23, estaria lá. Nesta época, o Brian precisaria de minutos para se mostrar, mas não conseguiu ganhar lugar na equipa. O guarda-redes suplente, Wellington, jogou apenas 2 jogos na Taças. Na minha opinião, o jogador começou a época bem, transitando do CNS para a equipa principal, defendeu um penalty nas Aves e deu moral a uma equipa de incerteza para o início de campeonato. Porém, depois disso, apenas jogou contra o Portimonense para a Taça, não sendo mais opção para Vítor Oliveira. Denis chegou e ficou, jogando todos os jogos na I Liga e mais 4 nas Taças. Veio do Brasil e depressa se impôs na equipa; um jogador que mostra segurança na baliza, rápido entre os postes, bom na saída das bolas. Temos guarda-redes para a próxima época, sendo que tem mais um ano de contrato. Isto se não aparecer uma outra proposta. Podemos dizer que a nossa baliza, neste momento, está salvaguardada.

Para a próxima época, será fundamental continuar a contar com Denis; como segundo guarda-redes o Wellington e, quem sabe, se o Gil Vicente formar uma equipa sub-23, Brian será a melhor opção para se começar a mostrar.

Passamos agora aos defesas do Gil Vicente.

Estamos em nono lugar da melhor defesa do campeonato, com 29 golos sofridos em 24 jogos. Acho que a nossa defesa tem estado bem e correspondido às expectativas.

Temos em posição de destaque, e o mais experiente dos defesas e também do plantel, o nosso capitão Rúben Fernandes, um jogador experiente, competente, conhecedor da I Liga e da total confiança de Vítor Oliveira. O destaque menos positivo da defesa, na minha opinião, vai para Arthur Henrique, um jogador que ainda não se conseguiu impor. É um jogador bom tecnicamente, mas sente bastantes dificuldades em defender.

Falemos, então, do meio campo, talvez o setor que terá de ser o mais equilibrado para levar a equipa até ao campo do adversário.

Poderia destacar um jogador, mas estaria a ser incorreta com os restantes. E ainda bem que assim o é! Quer dizer que temos um meio campo de qualidade. Posso destacar Kraev, não podia deixar de ser, pelas suas exibições que têm vindo a melhorar jogo após jogo, apesar de que, inicialmente, me fazia um bocado de confusão o querer de Kraev estar em todo o lado e de querer ir a todas as bolas rapidamente. Aos poucos, tem sido melhor e não lhe podemos tirar os holofotes. A meio campo tenho, também, de destacar Soares, outro jogador experiente, da confiança do nosso Mister, trabalhador e competente; é uma mais valia no nosso clube.

Apesar de ter jogado pouco, Vítor Carvalho chegou, marcou dois golos e deu um importante empate fora de casa ao nosso clube, ficando aqui uma mensagem de Vítor Oliveira como sendo “uma promessa de futuro”. Um pouco mais aquém, mas que chegou e mostrou para o que veio, foi Rúben Ribeiro. Chegou e mostrou que tem lugar na equipa, mas uma lesão, ao fim de dois jogos, ditou que só voltasse a dois jogos do fim, mas bastante enferrujado.

Não vejo um jogador que se destaque pela negativa a meio campo e isso mostra que a equipa tem potencial e que a meio campo estamos equilibrados.

Os avançados são a posição que nos fazem gritar pelos golos, mas que também nos faz logo apontar o dedo ao jogador por não ter arriscado o passe.

O destaque vai, sem dúvida, para Sandro Lima, o nosso melhor marcador. Se existe jogador que merece é, sem dúvida, ele. Joga muito e dá dinâmica à equipa. Segura bem a bola, faz passes certeiros quase sempre para o colega que está melhor posicionado, consegue fechar espaços, “obriga” a equipa a subir. É, sem dúvida, um jogador completo. O jogador avançado que merece o meu destaque negativo foi, sem dúvida, Romário Baldé. Neste momento, este jogador já não veste as nossas cores.

Diante de toda esta pandemia, os jogos foram suspensos e, quiçá, muito se fala, que talvez os jogos voltarão, mas à porta fechada, ou acabará assim. Na minha opinião, e talvez serei crucificada por isso, mas acho que o campeonato deveria terminar já. Sei que há muito dinheiro envolvido, e não só, mas não deveria de haver, nem subidas, nem descidas e nem, tão pouco, campeões. É uma situação inédita, mas toda esta situação assim o é. E não seria justo descerem equipas que ainda estavam a lutar pela permanência, nem tão pouco ditar campeões com tão poucos pontos de diferença para o segundo lugar. O nosso Gil Vicente, para já, estava bem, quase a conseguir a manutenção, por isso, para nós, qualquer decisão estaria bem. Excetuando, claro, outros assuntos de carácter financeiro que poderíamos perder.

Não posso acabar esta rubrica sem, antes, referir talvez a melhor e a mais acertada contratação desta época e que veio dar uma segurança e a experiência ao nosso clube. Estou a falar de Vítor Oliveira. Da maneira como começámos, com jogadores vindos um de cada equipa, sem se conhecerem, e o querer e a ansiedade pela permanência na I Liga, ditaram que o Gil Vicente fosse buscar, talvez, o melhor treinador da I Liga e que fez com que chegássemos a esta jornada com estes pontos e esta tranquilidade. Se eu pudesse pedir um treinador para a Primeira Liga para a próxima época, seria, sem dúvida, o Mister Vítor Oliveira. Talvez esta era será de mudança e, quem sabe, se o Gil Vicente ainda não dará muito que falar? Teremos que ter as pessoas certas, no sítio certo. E o treinador já está!

Se para o ano tivermos este treinador e uma cidade unida, teremos (quase) tudo para termos uma equipa em ascensão.

Somos Gil! 💖

Até isto tudo passar, fiquem em casa, cuidem de vocês e dos vossos!

Por: Lucy Santos*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Ir Para Cima