Tag archive

Obras

Município de Barcelos implementa passadiço pedonal na margem direita do Rio Cávado

Novembro 25, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

O Município de Barcelos vai implementar o “Passadiço Pedonal ao longo da margem direita do Rio Cávado, entre a Frente Ribeirinha de Barcelos e a zona da Quinta do Brigadeiro – 1ª Fase”, consistindo na criação de uma via pedonal, em plena cidade de Barcelos, numa extensão de 1.353 metros.



O projeto será construído quase todo em terrenos de domínio público, tendo apenas uma parcela pertencente a particulares, da qual já foi feita escritura de constituição de servidão administrativa a favor do Município, no que constitui o primeiro passo para a execução do referido projeto.

Com um valor base de 1.755.784,55€, acrescido de IVA, e um prazo de execução de 15 meses, o projeto constitui a primeira fase de um percurso mais amplo que, numa segunda fase, abarcará 1.748 m de extensão, na concordância com a frente ribeirinha da cidade de Barcelos e até à Quinta do Brigadeiro.

A operação integra o Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) Barcelos 2020, na PI 4.5 (Mobilidade Sustentável), tendo um apoio financeiro do FEDER, já aprovado, de 1.173.076,80€. Tem como objetivo específico promover a mobilidade urbana ambiental e energeticamente mais sustentável, num quadro mais amplo de descarbonização das atividades sociais e económicas e de reforço das cidades enquanto espaços privilegiados de integração e articulação de políticas e âncoras de desenvolvimento regional.

O projeto do passadiço, terá uma área de intervenção de 27.000 metros quadrados, dos quais 26.663,70 metros quadrados situam em espaço público, articulará com a rede de ciclovias com vários troços e que têm como principal enfoque o núcleo urbano central.

Fonte e foto: CMB.

Obras de requalificação da Rua Cândido da Cunha já arrancaram

Outubro 15, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Investimento de 741 mil euros

Começaram, no dia 12 de outubro, as obras de requalificação da Rua Cândido da Cunha, em Barcelos, uma empreitada com o valor de 741.430.06€ (IVA incluído) e que tem uma comparticipação financeira de 131.750,00€ do FEDER, no âmbito do programa PEDU (PI 4.5 – Mobilidade Urbana). O restante valor (609.680,07€) será suportado pelo Município.



“A empreitada, que tem um prazo de execução de 240 dias, contempla a requalificação das partes pedonais, tendo em conta as crescentes solicitações e necessidades de segurança dos cidadãos, a par da obrigação de adaptação das vias para os cidadãos com mobilidade condicionada”, refere o Município.

“Com esta obra, pretende-se elevar o nível de qualidade dos pavimentos pedonais, melhorar o ambiente urbano e revitalizar aquela parte da cidade, marcada pela presença de estruturas industriais desativadas”, conclui.

A empreitada prevê, também, trabalhos de infraestruturas elétricas, hidráulicas e recolha de resíduos.

Durante o período de realização das obras o trânsito automóvel na Rua Cândido da Cunha está condicionado, devendo ser seguidas as indicações colocadas no local e nas zonas de acesso à rua.

Fonte e foto: CMB.

Alterações de trânsito na Rua Cândido da Cunha devido a obras de qualificação

Outubro 9, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

A partir da próxima segunda-feira, dia 12 de outubro, vão ser introduzidas alterações de trânsito na Rua Cândido da Cunha, uma vez que esta vai ser alvo de obras de qualificação pedonal (Mapa 1) por um período aproximado de oito meses.



Nesse sentido, com o intuito de causar o mínimo transtorno e manter ativo o parque de estacionamento junto ao Centro Médico e Enfermagem Central de Barcelos, a empreitada e a sua execução será por fases, com os necessários desvios provisórios e sinalização temporária:

Mapa 1 (Imagem: CMB)

1ª fase: Avenida Dr. Sidónio Pais / Entrada do parque do Centro Médico. Nesta fase será cortado o acesso entre a Avenida Dr. Sidónio Pais (rotunda junto aos Bombeiros de Barcelos) e a entrada do parque do Centro Médico. A via de circulação entre o Largo dos Capuchinhos e a Avenida Dr. Sidónio Pais continuará ativa, bem como o tráfego desde a saída do parque do Centro Médico e o Largo dos Capuchinhos (Mapa 2 e 3);

Mapa 2 (Imagem: CMB)
Mapa 3 (Imagem: CMB)

2ª Fase: Parque do Centro Médico / Largo dos Capuchinhos. Nesta fase proceder-se-á à inversão da zona da rua cortada, mantendo a circulação entre o Largo dos Capuchinhos e a Rua Dr. Sidónio Pais. Prevê-se, neste período, a circulação no sentido descendente, restringindo o sentido ascendente, entre a saída do Parque do Centro Médico e o Largo dos Capuchinhos (Mapa 4).

Mapa 4 (Imagem: CMB)

3ª Fase: Parque do Centro Médico e Largo dos Capuchinhos. Os trabalhos a realizar nesta fase são os mesmos previstos para a fase anterior, com a diferença que a circulação entre o Largo dos Capuchinhos e a Avenida Dr. Sidónio Pais troca de via de rodagem, ocorrendo os trabalhos agora do outro lado (Mapa 5).

Mapa 5 (Imagem: CMB)

4ª e 5ª Fases: Largo dos Capuchinhos e rotunda na Avenida Dr. Sidónio Pais.

Estas fases englobam trabalhos de ligação nas zonas laterais, afetando o cruzamento no Largo dos Capuchinhos e na rotunda, na Avenida Dr. Sidónio Pais. No entanto, estes serão trabalhos de reduzida duração, não justificando, assim, de planos de desvios.

A obra tem como objeto a qualificação pedonal da Rua Cândido da Cunha, com estaleiro/remoções, demolições e acessos, lancis e rampas, pavimentação rodoviária, pavimentação pedonal, equipamentos de sinalização e segurança, infraestruturas hidráulicas, infraestruturas elétricas, recolha dos resíduos urbanos (ilhas ecológicas), serviços afetados, outros.

Fonte e imagens: CMB.

Hospital de Barcelos investe em obras de requalificação do Bloco Operatório

Setembro 4, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

O Bloco Operatório do Hospital Santa Maria Maior, E.P.E. – Barcelos sofreu obras de melhoria da sua estrutura física durante a segunda quinzena do mês de agosto.



A realização destas obras, através de um investimento que rondou os 90 mil euros, resultou da “necessidade de melhorar as condições da estrutura física e constituía-se como um dos eixos prioritários do Conselho de Administração para 2020”, refere o Hospital em nota.

“De salientar que o bloco operatório funciona todos os dias úteis, das 8h00 às 20h00, sendo utilizado na sua capacidade máxima, assumindo-se como uma área de trabalho de grande complexidade, razão pela qual se tornava imperioso efetuar esta intervenção, de forma a assegurar as melhores condições para utentes e profissionais”, continua.

Corredor para acesso ao bloco operatório (Foto: HSMM)

“A realização desta obra constituiu-se como um passo bastante significativo na resolução de constrangimentos estruturais que se faziam sentir ao nível das instalações, melhorando substancialmente a capacidade das condições físicas do bloco operatório, a qualidade e eficiência dos cuidados prestados, o conforto dos utentes, bem como as próprias condições de trabalho dos profissionais de saúde do HSMM. Permitirá, ainda, uma melhor e mais eficaz desinfeção dos espaços, o que é fundamental e cada vez mais imperioso para a segurança dos utentes”, conclui.

Fotos: HSMM.

Município de Barcelos assina acordo de colaboração com o Ministério de Educação para remoção de amianto

Agosto 13, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Educação, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Autarquia investe mais de um milhão em escolas do 1º ciclo e jardins de infância

O Presidente da Câmara Municipal de Barcelos, Miguel Costa Gomes, assinou, no passado dia 24 de julho, um acordo de colaboração com o Ministério da Educação para a remoção de materiais de construção com amianto em quatro estabelecimentos de ensino do concelho, da responsabilidade daquele Ministério.



O acordo insere-se no programa nacional, financiado por fundos comunitários, que prevê a retirada de estruturas de amianto em 578 estabelecimentos de ensino a nível nacional, no valor de 60 milhões de euros, quatro dos quais localizados no concelho de Barcelos: Escola Básica de Manhente, Escola Básica e Secundária Vale do Tamel, Escola Básica Gonçalo Nunes e Escola Secundária de Barcelinhos.

Na sessão de assinatura do acordo e colaboração, que decorreu em Vila Nova de Gaia, o Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, afirmou que “o financiamento da parte do Estado vem a 100%. Este é um financiamento que não tem contrapartida pública nacional por parte das autarquias. Estarão criadas todas as condições para se poder trabalhar tanto na calendarização, como no preço da remoção”. O Ministro disse ainda que “os autarcas têm sido os parceiros máximos da concretização do serviço nacional de educação”, agradecendo-lhes a “enorme generosidade”.

Na mesma sessão, Miguel Costa Gomes destacou a importância desta decisão governativa para o financiamento da remoção do amianto: “este é um problema e desta forma vamos conseguindo colmatá-lo, na medida do possível. É um passo importante porque a utilização do amianto foi proibida em 2005 e, até hoje, não tínhamos conseguido eliminar por completo este material dos estabelecimentos de ensino. Para já vamos intervir em quatro estabelecimentos escolares em Barcelos, mas estes serão só os primeiros”.

Na cerimónia foram assinados acordos de colaboração para intervenção em cerca de 250 escolas de 58 municípios, e apontado o dia 31 de outubro como data limite para o lançamento dos concursos para as mesmas.

Com a assinatura do acordo, será ainda constituída “uma comissão de acompanhamento” em cada uma das autarquias, composta por representantes da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares, municípios e pelos diretores dos Agrupamentos de Escolas e Escolas Não Agrupadas que integram estes espaços. A esta comissão caberá “coordenar a execução da empreitada com o desenvolvimento regular das atividades letivas”.

No que diz respeito aos estabelecimentos de ensino sob a tutela da autarquia de Barcelos, são os seguintes os projetos já aprovados para substituição das coberturas e remoção do amianto: JI Ferreiros (Cristelo), EB1/JI de Fraião (Tamel S. Veríssimo), EB1/JI de Cambeses, EB1/JI de Remelhe, EB1/JI de Aldão (Vila Frescainha S. Martinho), EB1/JI de Abade de Neiva, EB1/JI de Carvalhal, EB1/JI de Perelhal, EB1/JI de Areias de Vilar, EB1/JI de Galegos Santa Maria, EB1/JI de Milhazes, EB1/JI de Moure, EB1/JI de Galegos São Martinho e EB1/JI da Pousa.

As intervenções, no seu conjunto estão orçamentadas em mais de um milhão de euros.

Fonte e foto: CMB.

PSD Barcelos questiona Município sobre obras em conduta de águas junto da Ponte Medieval

Agosto 3, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Construção de prédio(s) na Rua Teotónio da Fonseca também alvo de requerimento

Datado de dia 29 de julho e assinado por José Novais, o PSD Barcelos questiona o Município sobre a obra que está a ser realizada numa conduta de águas junto à Ponte Medieval.



Ressalvando que as obras “são necessárias e devem resolver o impacto visual negativo de muitos anos”, o PSD pretende saber se a referida conduta é de águas pluviais ou residuais; se, no caso destas, serão alvo de tratamento; se o projeto está a ser articulado com o da futura instalação de passadiços; quem é a dona da obra; e se a obra está licenciada por serviços do Ministério do Ambiente.

Leia, na íntegra, o requerimento:

«Ex.mo Senhor

Presidente da Câmara Municipal de Barcelos,

Assunto: Obras em conduta de águas junto à Ponte Medieval

Tendo tomado conhecimento, por contacto direto, da execução de obras numa conduta de descarga de águas na margem direita do Rio Cávado, junto à Ponte Medieval de Barcelos, venho, por este meio, considerar que as obras que estão a ser executadas são necessárias e devem resolver um impacto visual negativo de muitos anos.

No entanto, trata-se de uma intervenção muito sensível num local do centro histórico, a merecer cuidados acrescidos devido à proximidade de importante património classificado:

– Paços do Concelho; Igreja Matriz; Pelourinho; Ponte Medieval; Paço dos Condes de Barcelos; Casa da Azenha; Solar dos Pinheiros; Arquivo Municipal; Museu de Olaria; Casa Ascensão Correia; Capela da Ponte; Caminho de S. Tiago; Areal de Barcelinhos; Etc.,

Este local de intervenção, na margem direita do Rio Cávado, está visualmente exposto a quem circula na Ponte e imediações e está situado numa zona turística por excelência, pelo que se torna necessário que estas obras contribuam para a despoluição do Rio Cávado e sejam sustentadas num projeto e tipo de construção que se enquadre e responda às sensibilidades que esse local exige.

Estas obras devem erradicar de vez o lançamento de águas sujas no Rio Cávado, como tem sido visualizado ocasionalmente.

E o projeto destas obras deverá estar articulado com algum projeto para a futura instalação de passadiços nesse local do Rio Cávado.

Em face do exposto, venho requerer a seguinte informação:

1 – Trata-se de uma conduta de águas pluviais ou de águas residuais, sujas, como tem sido visualizado ocasionalmente?

2 – No caso das águas sujas, como vão ser encaminhadas para tratamento para salvaguarda da não poluição do Rio Cávado?

3 – O projeto dessas obras está articulado com algum projeto para a futura instalação de passadiços nesse local do Rio Cávado?

4 – Quem é o dono da obra: a Câmara ou a União de Freguesias?

5 – No caso de carecerem de licenciamento, essas obras estão licenciadas por Serviços do Ministério do Ambiente?»

Sobre a obra particular num edifício localizado na Rua Teotónio da Fonseca, o requerimento surge pelo facto da divulgação da aceitação de providência cautelar por parte do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga, interposto por um grupo de cidadãos contra a Câmara Municipal de Barcelos no sentido de travar a execução da referida obra.

Leia o requerimento, na íntegra:

«Ex.mo Senhor

Presidente da Câmara Municipal de Barcelos,

Assunto: Construção de prédio(s) na Rua Teotónio da Fonseca

Considerando a divulgação pública, a nível local, regional e nacional, que o Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga aceitou uma providência cautelar, interposta no âmbito de uma ação popular contra a Câmara de Barcelos, por um grupo de cidadãos, “para travar” a execução de um Prédio particular na Rua Teotónio da Fonseca;

Considerando que no PDM de Barcelos essa construção está situada dentro do perímetro da Área de Reabilitação Urbana (ARU) do Centro Histórico da cidade de Barcelos;

Em face do exposto, venho requerer a seguinte informação:

1 – Essa construção respeita as características exteriores dos edifícios e integra os elementos arquitetónicos da construção pré-existente, nomeadamente a fachada ou fachadas do(s) edifício(s) anteriormente existentes?

2 – Qual é o tipo de uso previsto no projeto que foi apresentado para licenciamento?

3 – O(s) prédio(s) encontrava-se em ruína eminente?

4 – Essa construção respeita as características permanentes do conjunto edificado envolvente, nomeadamente a cércea, volumetria e profundidade predominantes dos edifícios existentes nesse local?».

Fonte. PSD-B.

Foto: DR (alterada).

Construção do troço da Ecovia entre Barcelinhos e Santa Eugénia é para avançar

Julho 27, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Informação dada pelo Município de Barcelos

A Câmara Municipal de Barcelos vai lançar o concurso público para a construção do troço da Ecovia entre Barcelinhos (Lugar de Souto dos Burros) e Rio Covo Santa Eugénia (até à ponte dos caminhos de ferro), numa extensão de 1800 metros, com passagem sob a Ponte Medieval.



A obra terá um prazo de execução de seis meses e um custo estimado de 695 mil euros, acrescido de IVA, sendo comparticipada financeiramente, na sua maior parte, pelo Programa Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU), através da prioridade 4.5 (Mobilidade Urbana).

Insere-se no projeto “Ecovia do Rio Cávado entre Fornelos e Pousa”, numa extensão de mais de 22 quilómetros e que se desenvolve, na sua totalidade, na margem esquerda do Rio Cávado. Obteve da Assembleia Municipal, em abril de 2019, o reconhecimento de interesse público e o parecer favorável da Direção regional da Cultura do Norte, da Agência Portuguesa do Ambiente, da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento do Norte e da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte.

O troço 03 Barcelinhos / Rio Covo Santa Eugénia abrange dez parcelas de terreno, com as respetivas servidões administrativas já constituídas a favor do Município, incluindo a parcela pertencente à Fundação Asilo-Escola Gonçalo Pereira, um processo coordenado pela Vereadora do Pelouro da Gestão Patrimonial, Anabela Real.

Terminado o processo de obtenção da totalidade dos terrenos, o projeto avança agora para concurso público.

Fonte e foto: CMB.

Câmara Municipal de Barcelos lança concursos de obras no valor total de 4 milhões de euros

Julho 24, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

A Câmara Municipal de Barcelos aprovou, em reunião ordinária realizada hoje, 24 de julho, a abertura do procedimento de concurso público da “Recuperação e remodelação da Casa Conde de Vilas Boas”. A obra vai a concurso por 2.633.327,91€, acrescido de IVA, e integra o conjunto dos projetos inscritos no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (prioridade de investimento 6.5), programa cofinanciado pela União Europeia que prevê uma comparticipação de cerca de 2.3 milhões de euros para este projeto.



Trata-se de uma intervenção com reabilitação integral do edifício Casa Conde de Vilas Boas e tem como objetivo principal criar uma estrutura vocacionada para a memória da cidade e realização de eventos que possam atrair dinâmicas de outras instituições. Por outro lado, segue a sequência de reabilitação da Casa Ascensão Correia que incluiu, no mesmo quarteirão, o Museu de Olaria, dando origem a uma concentração de oferta diversificada de estruturas orientadas para as atividades culturais. Ao mesmo tempo, recupera a qualidade paisagística do ambiente urbano da margem direita do Rio Cávado e da Ponte Medieval.

O executivo municipal aprovou, também, a abertura do procedimento de concurso público da “Requalificação e ampliação das instalações da EB1/JI da Pousa”, com o valor base de 1.359.410,96€, acrescido de IVA, um investimento integralmente assumido pelo orçamento municipal. A intervenção incidirá sobre o edifício “Plano dos Centenários”, com requalificação do edificado e a ampliação necessária à organização dos espaços educativos.

Planos para os centros Hospitalar e Intermodal e acordo com RESULIMA

Foi aprovado, ainda, um novo período de participação do público sobre o Plano de Pormenor do Centro Hospitalar de Barcelos, por um prazo de 15 dias úteis, uma vez que o período de discussão inicial (que decorreu entre 20 de abril e 8 de maio) poderá ter sido prejudicado pelas medidas de confinamento decorrentes da pandemia do COVID-19.

Também na mesma reunião o executivo municipal aprovou o início do procedimento de elaboração do Plano de Urbanização para a Envolvente ao Centro Intermodal de Barcelos (envolvente da gare ferroviária e central de camionagem), previsto no PDM, para estar concluído num prazo de seis meses, bem como a abertura de um período de formulação de sugestões durante um período de 15 dias úteis.

A Câmara Municipal aprovou, igualmente, uma adenda ao acordo celebrado com a Freguesia de Paradela e a RESULIMA, em julho de 2015, que fixa as condições de execução do investimento a efetuar a título de compensação financeira pela instalação e funcionamento do aterro naquela freguesia. A adenda contempla a competência da RESULIMA para a “obtenção de todas as aprovações, autorizações, licenciamentos e financiamentos necessários, assim como o lançamento dos procedimentos administrativos de contratação pública e a direção técnica das obras a realizar”, enquanto o Município de Barcelos se responsabiliza pela fiscalização da execução das obras a realizar.

Foi aprovada, ainda, a decisão de não adjudicação da obra “Execução da Rede de Ciclovias Urbanas e Melhoria das Condições Operacionais e de Rebatimento do Transporte Público”, no valor de 2.793.900,00€, acrescido de IVA, publicitada no passado dia 22 de maio, devido à falta de apresentação de propostas no âmbito do concurso público.

Por fim, o executivo municipal aprovou a resolução fundamentada no âmbito do processo cautelar movido por uma empresa a laborar no Mercado Municipal, tendo em vista a realização das obras previstas naquele equipamento público.

Fonte e foto: CMB.

Obras de reabilitação e ampliação da Escola de Martim já iniciaram

Julho 23, 2020 em Atualidade, Concelho, Educação, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Investimento de mais de 720 mil euros

Iniciaram as obras de reabilitação e ampliação da Escola Básica de Martim, com um investimento de 723.739,85 € (IVA incluído). O financiamento da empreitada vai ser comparticipado com 550.335,90 €, oriundo do Pacto para o Desenvolvimento e Coesão Territorial, gerido pela Comunidade Intermunicipal do Cávado.



A obra, que tem um prazo de execução de 365 dias, vai recuperar e melhorar as condições do edifício existente estando prevista a ampliação do edifício.

A escola de Martim integra o conjunto de edifícios escolares designados por “Plano dos Centenários”, com dois pisos, uma área bruta de construção de aproximadamente 612 metros quadrados, concebido segundo o modelo simétrico de “2 salas / 2 sexos”, constituído por duas salas de aulas ladeadas pelos átrios de entrada em cada lado, sendo quatro salas de aula no rés do chão e duas salas de aula no primeiro andar, com instalações sanitárias e alpendre na zona posterior da construção.

A escola já sofreu uma ampliação e requalificação no ano 2006/2007, com mais duas salas e dois novos pré-fabricados utilizados como sala de reuniões de professores e refeitório, sem qualquer ligação direta e coberta ao edifício existente.

A intervenção incluirá a substituição dos paramentos exteriores, pavimentos interiores, coberturas, caixilharias e equipamentos sanitários.

Esta ampliação criará novos espaços e infraestruturas de apoio às salas de aula existentes (8 existentes), nomeadamente: sala de professores; gabinete de atendimento a pais/ e encarregados de educação; polivalente; instalação sanitária masculina alunos; instalação sanitária feminina alunos; instalação sanitária homens; instalação sanitária mobilidade condicionada; instalação sanitária e balneário para funcionários; refeitório; copa limpa; copa suja; zona técnica; materiais de limpeza; lixos; biblioteca; novo acesso pedonal; novo acesso automóvel; estacionamento automóvel.

Esta intervenção visa completar e melhorar as valências do edifício, essencialmente na criação de um novo corpo a sul, articulado com o edifício principal, cuja organização espacial irá manter-se segundo o projeto original.

Fonte e foto: CMB.

Centro de Expressão pela Arte vai nascer na Casa Ascensão Correia

Julho 21, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Obras no valor de quase meio milhão de euros já arrancaram

Já decorrem as obras de reabilitação da Casa Ascensão Correia, um edifício do Município sito na Rua Fernando de Magalhães, em Barcelos, onde vai funcionar o Centro de Expressão pela Arte. A empreitada, que tem um prazo de execução de 365 dias, representa um investimento de 496.130,23€ (IVA incluído) financiado por fundos comunitários (PEDU, PI 6.5) e pelo orçamento municipal em 188.600,91 €.



O edifício situa-se em pleno centro histórico da cidade e data do início do séc. XIX, embora apresente sinais de obras de ampliação posteriores. O seu corpo principal reflete um inegável valor na imagem urbana do núcleo histórico.

Atualmente, o edifício encontra-se em ruína, mas em condições de segurança, fruto da intervenção do Município através de um conjunto de trabalhos de limpeza e desmonte dos pavimentos e coberturas, tratamento de paredes-mestras e contenção da fachada principal através de uma estrutura metálica para sustentação da mesma.

A construção encontra-se implantada num logradouro/jardim de aproximadamente 575,0 m2, criando uma espécie de varanda sobre as margens do rio Cávado. Este jardim possui um portão conhecido por “Postigo do Pessegal” (antigo postigo da muralha), outrora usado como acesso ao rio através de uma viela que ao longo dos tempos foi ocupada e camuflada pela propriedade que é, hoje, a zona de intervenção do projeto de reabilitação.

O edifício tem dois pisos acima da cota de soleira, uma área de implantação de 198,50 m2 e uma área bruta de construção de aproximadamente 393,00 m2. A zona de intervenção encontra-se delimitada pela muralha medieval na vertente sul, a poente pela casa “Conde Vilas Boas” (parede em granito que se desenvolve ao longo de todo o lote), a norte a Rua Fernando Magalhães e a nascente pelo edifício habitacional da autoria do arquiteto Adalberto Dias.

“Com a instalação do Centro de Expressão pela Arte, pretende-se dinamizar a ligação do Museu de Olaria à comunidade local, com maior incidência na comunidade escolar, através do desenvolvimento de atividades lúdicas e recreativas que visam a valorização cultural”, refere o Município em nota.

O projeto de reabilitação

Foi desenvolvido um programa de reabilitação que pretende revitalizar e valorizar o edifício dotando-o de espaços adequados ao seu uso, nomeadamente, na criação de um laboratório/oficina e três salas/oficinas para formação e experimentação de atividades relacionadas com as artes plásticas e de expressão de conhecimentos artísticos, bem como os espaços de apoio; instalações sanitárias, receção e infraestruturas de apoio.

O projeto prevê a demolição parcial dos espaços que constituem a vertente sul da construção, de forma a poder adequar-se ao programa base, designadamente na criação de espaços mais amplos.

Toda a estrutura e traça arquitetónica do corpo principal serão mantidas e recuperadas, num total de 168.0 m2 de área de construção.

As obras de ampliação previstas consistem na criação de dois volumes sobrepostos, distintos na sua materialidade, que se interligam numa estrutura de dois pisos acima da cota de soleira, resultando numa composição volumétrica em “L”. O novo volume comunica e articula-se com a construção existente (através de vãos existentes) ao nível dos dois pisos.

Os vãos serão constituídos por caixilharias em madeira com pintura de cor branco e aro em cinza. Pelo exterior, as paredes do piso superior serão desmontadas e reconstruídas de forma a colmatar as deficiências estruturais que apresentam, serão picadas, novamente rebocadas, estucadas e pintadas de tons suaves e claros. Serão construídas novas lajes de piso e uma cobertura em estrutura de madeira.

Os novos volumes apresentarão imagens distintas: o corpo térreo com paredes brancas (em continuidade com o existente) constituídas por tijolo cerâmico e isolamento térmico pelo exterior; no volume superior (que define o átrio de entrada do edifício e que articula a rutura do “novo” com o existente) serão construídas fachadas revestidas a camarinha de zinco e na zona do átrio um paramento de fachada em vidro assente em caixilharia de alumínio autoportante.

O projeto integra a requalificação da antiga viela do Pessegal, de forma a manter viva a memória urbana da cidade e possibilitar a acessibilidade pedonal da Rua Fernando Magalhães com o parque fluvial da cidade (zona ribeirinha). A viela prolonga-se pelas escadas existentes até ao postigo (portão) na muralha, caracterizado por um vão em arco em cantaria de pedra em granito.

O edifício é acessível a partir da Rua Fernando Magalhães. O acesso principal é feito pela viela do “Pessegal” até a um pequeno átrio exterior (interior do logradouro). A segunda entrada permite o acesso direto da rua com o interior do edifício.

No rés do chão, a distribuição espacial é organizada por uma oficina para artes plásticas, hall ou átrio de entrada com pé direito duplo, escadas e elevador (acessível), duas instalações sanitárias divididos por sexos e acessíveis para pessoas com mobilidade condicionada, um balcão de receção, zona de arrumos e um laboratório de artes e conhecimentos com acesso ao alpendre e jardins. O primeiro andar é composto por uma oficina, um corredor de circulação e distribuição em passadiço e uma sala/oficina com acesso ao terraço.

No terraço está previsto mobiliário e equipamentos adequados a espaços de estar e convívio de forma a tirar partido da paisagem ribeirinha e da beleza natural do Rio Cávado.

Fonte e foto: CMB.

Ir Para Cima