Tag archive

Pedro Sousa - page 2

O associativismo e espírito comunitário no Concelho de Barcelos

Novembro 22, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Pedro Sousa

Caro leitor,

Quando iniciei esta empreitada de ser o diretor deste singelo e humilde jornal online, fazendo parte do conjunto de pessoas que o fundou, não me passava pela cabeça o tamanho das “fundações” que tinha que ajudar a criar.



Vamos por partes. Primeiro, quando digo “singelo”, estou, obviamente, a usar de comicidade para nos divertirmos um pouco! Segundo, “humilde” porque é um projeto em que nenhum dos seus participantes aufere qualquer tipo de remuneração e/ou ajudas de custo. Sim, nenhum! Nem o diretor – eu –, nem os editores, os colaboradores e, mesmo, os nossos colunistas, a quem aproveito o ensejo para agradecer imenso pela dedicação. Por isso, é usual e compreensível que alguns deles não escrevam de quando em vez, porque a vida pessoal e profissional deles a isso “obriga”…e quem sou eu para os “censurar”?!

É por isso, também, que ainda não conseguimos ter um corpo jornalístico que nos permita cobrir o máximo de eventos possível, jogos, campeonatos, festas, entre outros. Ou cobrir acidentes, assuntos de política e outros casos. Por tal, tenho vindo, de quando em vez, a fazer a nossa “contrição” por não conseguirmos mesmo noticiar e/ou fazer o que desejaríamos. Mas isso são problemas nossos com os quais temos que lidar e tentar, com tempo e sustentabilidade – sim, porque não daremos “passos maiores do que as nossas pernas”, hipotecando o futuro do projeto e, até, o nosso pessoal –, menorizar estes problemas e, mesmo, transpô-los.

Depois deste grande “desabafo”, intercalado entre o preâmbulo e o corpo do artigo, reentro no tema que me traz aqui: o associativismo e espírito comunitário barcelense.

Ao iniciar funções, decidimos enviar um e-mail de apresentação do jornal, com solicitação de colaboração, ao máximo de associações, clubes, instituições, grupos, entre outros. Muitos aceitaram…infelizmente, muitos ainda não o fizeram. “No que me fui meter”, pensei logo eu! São tantos, mas tantos os e-mails que ainda hoje não consegui terminar essa parte da “empreitada” (obviamente que tenho o meu emprego e não passo todo o dia a enviar!). Aliás, eu confesso: não conheço todas as associações, todos os clubes, todas as instituições, todos os grupos, todas as comissões…de Barcelos! Não me levem a mal, mas tenho quase a certeza de que nenhum barcelense conhece! Isso é, para mim, sinal do grande espírito associativo, clubístico e comunitário dos barcelenses, que aqui louvo e destaco. Mesmo que isso signifique que um dos meus objetivos enquanto diretor fique muitíssimo difícil de concretizar: dar a conhecer o nosso “Barcelos na Hora” a todas essas instituições! Acho que não vou conseguir…

Escrevi sobre as dificuldades com que nos deparamos (nós, “Barcelos na Hora”) e sobre o facto de ninguém dos que colabora e participa neste projeto auferir qualquer tipo de ganho financeiro porque, tal como no nosso caso, são imensas aquelas pessoas que, de uma forma, muitas vezes, abnegada e gratuita, lutam pelo melhor para associações/ clubes/ instituições/ grupos/ IPSS/ comissões…de que fazem parte, quer como dirigentes, quer como associados/simpatizantes. Por vezes, as coisas correm menos bem; por outras, os sucessos são mais do que os insucessos. Há dias em que chegam a casa de “coração cheio”; há outros em que chegam de espírito em baixo! Enfim, é o “dia a dia” destas pessoas, que escolheram esse caminho para a sua vida…

Não escrevo muito mais!

Termino com um muito obrigado a todos vocês, que tornam enorme o associativismo e o espírito comunitário barcelense! Mesmo que isso – reitero – dificulte imenso a concretização de um dos meus objetivos enquanto diretor deste jornal!

PS: Tinha muitas imagens para escolher para foto de destaque, mas senti que era impossível encontrar uma que retratasse todas as instituições barcelenses de que falei! Escolhi esta por representar um evento – Festa das Cruzes – onde muito do espírito retratado se evidencia.

Por: Pedro Sousa* (Professor e Diretor do Barcelos na Hora)

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Ténis de Mesa de Alvito traz 2 terceiros lugares no Torneio Cidade de Viseu

Novembro 22, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

No fim de semana de 10 e 11 de novembro, o Pavilhão Cónego Barreiros – Colégio Via Sacra, em Viseu, recebeu o V Torneio Aberto de Ténis de Mesa, que contou com atletas da Casa do Povo de Alvito.



Rita Vale, em Iniciados Femininos, conseguiu conquistar o 3º lugar.

Já em Infantis, Susana Costa não ficou atrás e também conseguiu um 3º lugar. Em Infantis Masculinos, Pedro Sousa foi 5º. André Carreiras competiu em dois escalões. No de Cadetes foi 9º e em Juniores foi 17º.

Em nota, a secção salienta que “para além dos atletas medalhados, de salientar o excelente desempenho de todos os que procuram, em cada fim de semana, dar o seu melhor na procura de um crescimento individual com o calor de uma família mesatenista como o temos na Casa do Povo de Alvito. Parabéns a todos: jogadores, pais e dirigentes”.

Fotos: CPA/DR.

Falta de civismo: abandono de viaturas na via pública

Novembro 4, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Pedro Sousa

Caros leitores,

Antes de mais, quero agradecer por estarem a gastar um pouco do vosso tempo para lerem estas minhas palavras.

No meu último artigo, onde me apresentei um pouco, como “neobarcelense”, abordei algo de que todos os barcelenses – habitantes do concelho – se podiam orgulhar: as 89(!) Paróquias e suas festas religiosas/populares.



Desta feita, vou generalizar, particularizando com exemplos de Barcelos. Passo a explicar – se bem que o título já diz um pouco (ou tudo):

Na nossa sociedade – não há como negar – há uma espécie de “culto do carro”! É quase como se o carro estabelecesse um estatuto social…o que acontece na maioria das vezes. – “Se tem um Porsche ou um Jaguar é porque é rico…é porque tem dinheiro para o manter!”, damos por nós a pensar.

A rede de transportes públicos, à exceção das existentes nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, é – com todo o respeito pelas demais – quase residual. Isso faz com que um número considerável de portugueses eleja a sua viatura própria como meio de transporte preferencial para se deslocar para o emprego ou para viagens de lazer.

Nas cidades, a escassez de garagens para aparcar as viaturas e o défice de lugares de estacionamento faz com que muitas zonas residenciais, comerciais e industriais fiquem pejadas de veículos nas suas vias e espaços públicos, muitas vezes, mal-estacionados e em infração. Mesmo sendo um comportamento revelador de alguma falta de civismo, nalguns casos até relevamos, tal deve ser o “desespero” das pessoas para estacionar.

Sendo nós – portugueses – “aduladores” do carro, por vezes, é-nos extremamente difícil separarmo-nos dele. E há quem opte por deixá-lo “plantado” num qualquer lugar destas nossas terras, em vez de, simplesmente, enviá-lo para abate. Quando ainda se recebia algum “dinheirinho” por essa ação, isto ainda andava! Mas agora…agora é vê-los a “brotar” pelas vias e espaços públicos, a apodrecer, à mercê dos elementos e do vandalismo, a servirem de habitat para bichos e ervas (Tão fácil ver quando se trata de um veículo abandonado, não é? Tem erva alta por baixo e em volta…está abandonado!) e, claro, a ocuparem lugares preciosos de estacionamento! Estou a usar da ironia e do metafórico porque este “flagelo” apenas dá para isso (no que me diz respeito), porque se fosse a escrever o que penso, era logo censurado!

Obviamente, muitos desses veículos abandonados são resultado de furto e posterior abandono. Obviamente, as autoridades judiciais e autárquicas têm que cumprir os trâmites legais e não podem rebocá-los imediatamente (há prazos). Também se “esquecem” ou “viram o olhar” imensas vezes! Mas que é de lamentar este “flagelo” de veículos abandonados, lá isso é! Eu lamento!

Focando-me na nossa Barcelos, a nossa cidade também não é imune a este problema. Por exemplo, há zonas residenciais, mormente em Arcozelo e na União de Freguesias de Barcelos, Vila Boa e Vila Frescaínha (S. Martinho e S. Pedro) onde o número de veículos abandonados, a ocuparem lugares de estacionamento ou, até, em locais não permitidos pela lei, já começa a ser preocupante. E a nós, meros cidadãos, compete-nos denunciar essas situações junto das autoridades competentes, para a resolução desse “flagelo”. Sinto-me à vontade para o dizer (escrever, neste caso) pois já o fiz algumas vezes, faço e continuarei a fazer. Você também pode e – permita-me – deve fazê-lo. A falta de civismo de uns (e aqui incluo a criminalidade) só pode ser compensada pelo senso cívico de muitos! Juntos, conseguimos – conseguiremos – mudar estes aspetos menos bons deste nosso adorado país.

Termino com uma informação, que se exige. Na foto de destaque, o veículo do meio não está abandonado. Já o da esquerda (abandonado) foi, nestes dias, retirado do local. Boa notícia! Falta o da direita. Haja esperança!

Até breve e obrigado pela atenção!

Por: Pedro Sousa* (Professor e Diretor do Barcelos na Hora)

Fotos: DR.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

89 (!) Paróquias de Barcelos

Outubro 21, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Pedro Sousa

Inicio hoje uma nova “empreitada” na minha vida, que me levará a abordar, não só, assuntos/eventos divulgados aqui, no Barcelos na Hora, como outros da atualidade do nosso Concelho. Espero conseguir. Já agora, nomeei este espaço de “Olhar Barcelos”!

Sendo um “neobarcelense”, pois resido cá apenas desde 2013, já conheço o concelho desde 2008 – uma “migalha” para quem já vive cá durante toda a sua vida –, quando iniciei o ensino de Inglês por dezenas de freguesias de Barcelos. E foi assim que comecei a conhecer, para além dessas freguesias, os seus habitantes.

O que me traz hoje aqui são as 89 (!) Paróquias do arciprestado de Barcelos! Oitenta e nove! (Confesso que, por extenso, o número não me parece tão grande…mas é!!) Quando falo disto a amigos “não barcelenses”, o pasmo é o resultado mais evidente.

Com a implementação (polémica!) da reorganização administrativa das freguesias, o concelho de Barcelos passou a ter “só” 61 freguesias e uniões de freguesias. “Só”! Mas as Paróquias mantiveram-se e continuaram a ser 89 (!). Cada uma com o seu orago e com veneração de mais Santos e Santas para além deste.

Agora que a fase de maior incidência de festas religiosas e populares já passou, atrevo-me a analisar, levemente, este aspeto da cultura religiosa – e não só – de Barcelos. Aliás, como Diretor deste jornal online, sinto bem “na pele” o facto deste concelho ter esta magnitude tal que torna hercúlea a tarefa de divulgar e /ou cobrir todas as festas. Simplesmente – e aqui faço a minha penitência – não conseguimos. Peço desculpa por todas aquelas que não ajudámos a divulgar, mesmo que nos possamos escusar no facto de nem sempre recebermos nota ou sermos alertados para a festa em questão.

As festas em Barcelos unem famílias e amigos. E sei bem do que falo, por experiência pessoal. Nos dias das festas, há filhos e filhas da terra que voltam, que a visitam, que visitam os seus. Há dezenas e dezenas de espetáculos musicais e de atos religiosos, muitos dos quais, quase exclusivos dessa freguesia e/ou do concelho. E o fogo de artifício?! (cada vez mais, infelizmente, colocado em causa pelo flagelo dos fogos florestais) Admito que acho admirável o esplendor que a maioria dos habitantes do concelho tem pelo fogo de artifício. Na hora deste, é vê-los de olhar colocado no céu para admirarem a miríade de luzes e cores que o pintam. Sabem que mais? Eu também já o faço!

As procissões são sempre tradições fortes nestas festas, quer sejam as de Velas, quer sejam as “Majestosas”. As fanfarras a abrir, os figurantes, os andores, as autoridades eclesiásticas e civis, os estandartes, os pálios, as bandas a fechar e os fiéis. Tudo isto faz com que as festas nas 89 (!) Paróquias de Barcelos sejam ainda mais esplêndidas!

Sem qualquer tipo de desprimor para com as demais, a Festa das Cruzes é o expoente máximo das festas de Barcelos. Milhares e milhares de pessoas visitam a cidade; dezenas de eventos religiosos e não só; os arcos, os tapetes de flores, os concertos, o fogo de artifício (lá está!), os carrocéis e zona de diversões, a “Batalha das Flores” e a procissão das Cruzes, entre outros. Nesta última, podemos constatar a tal magnitude das 89 (!) Paróquias e das suas Cruzes. Mesmo os ateus e agnósticos – que saibam, claro, respeitar as tradições religiosas seculares – não conseguem ficar indiferentes a este ato religioso. Sempre que assisto a esta procissão, dou por mim a maravilhar-me com a exuberância das 89 (!) Cruzes; a tentar reconhecer alguém que nela vá a desfilar (e vejo alguns antigos alunos, por exemplo); ou, mesmo, a admirar os pormenores de cada uma delas.

Não me delongo mais. Deixo apenas um pedido aos barcelenses (saído de um “neobarcelense”): tenham orgulho nas vossas 89 (!) Paróquias, nas vossas tradições religiosas e continuem a mantê-las bem vivas na nossa memória. (Louvo aqui os milhares de paroquianos que, todos os anos, fazem parte das comissões de festas por esse concelho fora) Eu, enquanto alguém que gosta de observar, “estudar” e vivenciar as tradições e costumes, as histórias e estórias, e o dia a dia de uma comunidade, agradeço-vos imenso.

Até breve!

Por: Pedro Sousa*. (Professor e Diretor do Barcelos na Hora)

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Fotos: DR.

 

Mariana Machado Ballester recebe tarefa de presidir ao Rotary Club de Barcelos

Julho 5, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Realizou-se na passada terça-feira, dia 03 de junho, a “Transmissão de Tarefas” do Rotary Club de Barcelos, com Marcelino Coelho Mota a transmitir à sua sucessora, Mariana Machado Ballester, o cargo de Presidente do Club barcelense.



A cerimónia teve lugar no Hotel Restaurante Bagoeira, em Barcelos, e contou com a presença de rotários barcelenses, de representantes de várias entidades, entre as quais, o Barcelos na Hora, representado pelo seu diretor Pedro Sousa, assim como, igualmente, com a presença de vários convidados de outros Clubes rotários portugueses, desde Vila Verde a Viseu, passando por Póvoa de Varzim, Vizela, Caminha, Guimarães – Club Padrinho –, Ponte da Barca – um dos Clubes Afilhados –, entre muitos outros.

No seu discurso, o agora Past President Marcelino Coelho Mota começou por elencar algumas atividades e projetos levados a cabo pelo Rotary Club de Barcelos ao longo da sua presidência, dando enfoque aos de cariz humanitário. Continuou referindo que “fizemos a diferença quando levámos o Rotary a duas empresas do nosso concelho – a Kristaltek e a Sonix – explicando o que fazemos, o que somos e aquilo que podemos fazer em conjunto no futuro. Ao longo do ano, efetuámos, também, bastantes palestras com especialistas, com ênfase para projetos humanitários, desde angariação de fundos, inovação, projetos de desenvolvimento, em saúde, com o apoio, também, – fizemos aqui – da associação FIBRO, a falar sobre a fibromialgia. E sempre relembrar que fizemos com casa cheia, com muita gente”.

Mencionou, igualmente, a receção de rotários de outros clubes, nomeadamente, de países como França, Brasil, Espanha, Estados Unidos da América e “onde iremos continuar com estas parcerias”. Informou que formaram um grupo de trabalho, em conjunto com o Club Padrinho e com os Clubes Afilhados; que retomaram o encontro de Clubes com as terças-feiras, “com o intuito de fazer, também, um projeto que a nossa Presidente entrante vai dar continuidade”.

As comemorações dos 50 anos do Rotary de Barcelos também não ficaram esquecidas no seu discurso, “onde o auge foi o nosso jantar festivo”, que incluiu a apresentação ao público da curta-metragem “A Lenda do Galo”, com “ilustres convidados e, mais uma vez, com sala cheia”. Referiu-se, igualmente, ao momento musical que tiveram no Salão Nobre da Câmara Municipal de Barcelos, com a ajuda da Escola de Música; à apresentação do livro, “onde estão as memórias dos nossos 50 anos, dando mais ênfase a estes últimos 25”; e à medalha comemorativa. Abordou, de igual modo, início da edificação do monumento do Rotary aqui em Barcelos.

O Past President continuou, salientando que com os projetos do Rotary de Barcelos, conseguiram divulgar as suas causas, a sua imagem pelas rádios, jornais, revistas, televisões, “sabendo que uma imagem positiva ajuda-nos a encontrar parceiros para os nossos projetos. As parcerias, o trabalho conjunto, em sinergias que o mesmo permite, foram a chave para este ano rotário muito positivo e bastante dinâmico. Mais uma vez, não posso deixar de não agradecer aos meus companheiros, companheiros do nosso Club, que estiveram sempre à altura e, não querendo particularizar ninguém, não podia deixar de dar aqui uma palavra especial à Presidente entrante, que foi a Secretária este ano e que esteve sempre ao meu lado, sempre me acompanhou e esteve sempre a dar apoio”, ressalvou.

Marcelino Coelho Mota terminou, referindo que “podíamos ter feito mais, claro que sim. É sempre possível fazer mais, mas o que fizemos, fizemos com muita vivacidade, com muito envolvimento. Desejo à nossa Presidente entrante os maiores sucessos na sua liderança e dizer que todos estamos com vontade de trabalhar mais, para sermos melhores, para sermos inspiração”, concluindo com um bem-haja a todos aqueles que se empenharam a fazer a diferença, não esquecendo “que a Humanidade é sempre a nossa missão”.

Já a Presidente entrante, que iniciou o seu mandato para o ano rotário 2018-2019, Mariana Machado Ballester, começou por salientar que iria continuar com o trabalho que vinha sendo desenvolvido, ressalvando, no entanto, que o Rotary iria voltar-se mais para a cidade, pois acha que “o Club é pouco conhecido na sociedade”.

Continuou, pedindo a todos, “uma vez que o lema é ‘Seja a Inspiração’”, que pegassem num papel e num lápis, que cada uma das pessoas presentes tinha no seu lugar, e que escrevessem ou desenhassem algo inspirador e, “com essa mensagem, eu vou tentar construir o meu ano, vou tentar planear as minhas atividades e pedir a todos o vosso apoio para que o ano seja, efetivamente, inspirador e seja um ano que marque o Rotary”, terminando com um agradecimento a todos.

Foi assim mais uma cerimónia de “Transmissão de Tarefas” do Rotary Club de Barcelos, que pretende continuar a marcar a diferença, a “inspirar” e a fazer ainda mais pela sociedade e pela Humanidade.

Fotos: BNH e RCB.

Ténis de Mesa: Casa do Povo de Alvito “em grande” no Torneio Cidade de Braga

Junho 19, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

No último domingo, dia 17 de junho, o Pavilhão Desportivo de Vilaça – Braga recebeu o I Torneio de Ténis de Mesa Cidade de Braga, organizado pelo Grupo Desportivo Bairro da Misericórdia e onde marcou presença a equipa de Ténis de Mesa da Casa do Povo de Alvito.



A equipa barcelense alcançou várias vitórias e pódios, “regressando a casa” com a “bagagem” repleta de troféus e medalhas.

Assim, em Seniores Masculinos, João Costa foi 2º classificado e Carlos Xavier Silva foi 3º, fechando o pódio. Já em Femininos, o pódio foi todo de Alvito, com Catarina Ferreira (1ª), Jéssica Fernandes (2ª) e Marta Henriques (3ª).

 

João Costa

Em Juniores Femininos, a vitória também foi para a equipa de Alvito, com Eva Marques em 1º lugar e Érica Silva em 2º. No Cadetes Masculinos, Tiago Sousa foi 2º classificado.



No escalão de Infantis, em Masculinos, nova vitória barcelense, para Pedro Sousa. Em Femininos, para não “ficarem atrás”, a vitória foi igualmente para a equipa de Alvito, com Susana Costa a vencer, Beatriz Pereira a ser 2ª e Sofia Bettencourt 3ª.

 

Pedro Sousa

Por fim, em Não Federados, nova vitória, por intermédio de João Nogueira, com André Silva a ficar no 2º lugar.

João Nogueira

Fonte e fotos: CPA-TM.

Caixa Geral de Depósitos encerra balcão de Arcozelo

Junho 11, 2018 em Atualidade, Concelho, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

A “onda” de encerramentos encetada pela administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), liderada por Paulo Macedo, parece não querer parar, nem abrandar, chegando, desta vez, a Barcelos e a Arcozelo mais concretamente.



Sabe-se, agora, que uma das 75 agências que são para encerrar este ano é a de Arcozelo, situada na Praceta do Correio-Mor, que encerra – consta-se – já no final deste mês de junho. Essa decisão, da qual os moradores da zona vão ficando a saber, está a indignar e a revoltar não só os habitantes da freguesia, como os habituais utilizadores dessa agência, que não moram nela.

Pedro Sousa, cliente, morador em Arcozelo e diretor deste jornal, salienta que “esta decisão é imensamente prejudicial para nós, moradores aqui da zona da agência, mas também, para quem a utiliza para tratar dos seus assuntos bancários. É verdade que com o encerramento da agência de Santo António, como era conhecida, junto ao Pavilhão Municipal, a afluência de clientes na de Arcozelo aumentou consideravelmente, havendo dias de filas enormes e muito tempo de espera. Mas isso só confirma que a agência não estava sem clientes, não estava ‘moribunda’. Pelo contrário, estava a precisar de ver serem-lhe alocados mais recursos humanos para menorizar esses efeitos. E o que é que a administração da CGD decide, lá de Lisboa? Encerrar uma agência que tem muita afluência e movimento”, conclui.

Mas os problemas não se ficam por aqui. Pedro Sousa relembra que “com este encerramento, a não ser que haja abertura de outra agência, quem quiser tratar de algum assunto numa agência da CGD terá que se deslocar ao centro da cidade, à agência junto à Praça de Pontevedra, ou a Barcelinhos. Agências essas que ficarão ainda mais ‘atoladas’ de clientes”. A agência de Arcozelo é utilizada por cidadãos de várias freguesias. “Só em Arcozelo moram mais de 13 mil habitantes que veem o único balcão do banco público fechar”, refere Pedro Sousa. “Julgo que a decisão não é a melhor. Para quê ter-se um banco público se ele não serve os seus clientes e os seus ‘proprietários’, que são os portugueses?”, pergunta este arcozelense.

O Barcelos na Hora sabe que há abaixo-assinados a circular pela zona da agência, nomeadamente, em estabelecimentos comerciais, que as pessoas podem assinar, numa tentativa de demover a administração da CGD, algo que poderá ser, obviamente, muito difícil.

Pedro Sousa deixa, igualmente, o “apelo à Câmara Municipal de Barcelos, à Junta de Freguesia de Arcozelo, às Assembleias – Municipal e de Freguesia –, às forças políticas e movimentos civis que tomem ações fortes no sentido de se demover a administração da CGD, sentada na capital, desta decisão que provoca dano, não só aos arcozelenses, como aos barcelenses em geral. Já enviei um e-mail ao Presidente da Câmara e outro ao Presidente da Junta a solicitar mais reação e desencadeamento de ações políticas e de protesto, tendo-me, até, disponibilizado para participar nelas, se necessário. Entretanto, peço a todas as pessoas que assinem os abaixo-assinados a circular na zona da agência e que, tal como eu, façam chegar a vossa voz a todas as entidades, políticas e não só, para que estas compreendam que esta decisão não é boa, nem para Arcozelo, nem para Barcelos”, concluiu.

Entretanto, o Barcelos na Hora sabe que a Junta de Freguesia de Arcozelo não foi informada oficialmente deste encerramento. Mal soube, de forma oficiosa, contactou o Presidente da Câmara, Miguel Costa Gomes, para o colocar ao corrente do assunto e enviou um ofício ao Presidente da CGD protestando contra esse encerramento. Como já referido, a Junta está a realizar abaixo-assinados e o Presidente da Câmara reunirá, ao que tudo indica ainda esta semana, com o Sub-Diretor da Região Norte, onde estará, igualmente, o Presidente da Junta, José Monteiro da Silva. Nessa reunião tratar-se-á, obviamente, deste assunto, deste encerramento anunciado.

Foto: Google Maps (alterada).

[Notícia atualizada às 18h22, do dia 11-06-2018]

Casa do Povo de Alvito com três vitórias individuais no Torneio de Ténis de Mesa “Didáxis”

Junho 7, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Realizou-se, no passado dia 2 de junho, em Famalicão, o 3º Torneio Aberto de Ténis de Mesa “Didáxis”, marcado pela excelente prestação dos mesatenistas da Casa do Povo de Alvito.



Em Seniores Masculinos, a vitória foi para Carlos X. Silva, da equipa de Alvito, com Filipe Lobo a conseguir um bom 3º lugar.

Já Catarina Ferreira [ndr: à esquerda na foto de destaque] conquistou o 1º lugar na vertente de Seniores Femininos. Em Femininos mas no escalão de Juniores, a vitória também foi para Alvito, com Érica Silva a conquistar o 1º lugar.

Por fim, em Infantis Masculinos, Pedro Sousa conquistou um ótimo 2º lugar.

Fonte e fotos: CPA-TM.

Ténis de Mesa: EBS Vale do Tamel com quatro primeiros lugares de pódio no Desporto Escolar de Braga

Março 13, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

No passado fim de semana, a equipa de ténis de mesa da Escola Básica e Secundária Vale do Tamel, do Agrupamento de Escolas Vale do Tamel, arrecadou os quatro primeiros lugares do Pódio, na competição de Infantis B (Série A) do Desporto Escolar de Braga.



No jogo da final, Tiago Sousa derrotou o seu irmão Pedro Sousa, por 2-1.

No jogo para disputar o 3° e 4° lugar, Susana Costa venceu a sua colega de equipa Rita Vale, por 2-0.

Já Santiago Lagarteira perdeu na fase de grupos, classificando-se em 9° lugar da competição.

Fotos: SE.

Equipa de Ténis de Mesa da EBS Vale Tamel (Lijó) vence 1ª jornada da Séria A – CLDE Braga

Fevereiro 5, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Educação Por barcelosnahorabarcelosnahora

No último sábado, o Grupo-equipa de Ténis de Mesa da Escola Básica e Secundária Vale do Tamel (EBSVT), de Lijó, deslocou-se à EB Gonçalo Nunes para disputar a 1ª jornada de Ténis de Mesa da Série A (Barcelos/Famalicão).



Para além da equipa da casa, esteve também em competição a equipa da EB Vale do Este, Arnoso. A formação de EBSVT, constituída pelos alunos Susana Costa, Tiago Sousa, Pedro Sousa, Rita Vale e João Bettencourt alcançou, respetivamente, o 1º, 2º, 3º, 4º e 6º lugares individuais da competição.

Acompanhou a equipa, nas funções de arbitragem, a aluna Sofia Bettencourt.

Fonte e foto: ETM-EBSVT.

Ir Para Cima