Tag archive

Psicologia Infantil

A Consulta de Crise Psicológica na Infância e Adolescência – Um Recurso Útil?

Setembro 17, 2021 em Atualidade, Concelho, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

A prevalência de perturbações emocionais e do comportamento na infância e adolescência
tem sido fortemente estudada e, embora os valores variem consideravelmente, estima-se que
10 a 20% das crianças tenham um ou mais problemas de saúde mental.

Segundo a Associação Americana de Psiquiatria da Infância e da Adolescência (AACAP) uma em
cada cinco crianças apresenta evidência de problemas mentais e esta proporção tende a
aumentar. De entre as crianças que apresentam perturbações psiquiátricas apenas 1/5 é que
recebe tratamento apropriado. As perturbações psiquiátricas da infância e da adolescência
trazem grandes encargos à sociedade, quer em termos humanos quer financeiros, e muitas
delas podem ser precursoras de perturbações na idade adulta.

A área da Psiquiatria da Infância e da Adolescência é uma especialidade médica que assegura a
prestação de cuidados e intervenções diferenciadas na área da saúde mental à população de
idade pediátrica (inferior a 18 anos). O seu campo de intervenção abrange um espectro
alargado de atividades que englobam:


• Ações de promoção e prevenção universal e seletiva, com o objetivo de reduzir fatores
de risco/ vulnerabilidade e aumentar fatores de proteção;


• Estratégias de prevenção e intervenção precoce, para casos com os primeiros sinais de
perturbação;


• Avaliação diagnóstica e tratamento, para aqueles que apresentam já uma perturbação
definida;


• Programas de cuidados continuados e reabilitação psicossocial, para situações com
sequelas em resultado de uma perturbação.


Assim, a atividade do Psiquiatra da Infância e Adolescência envolve a promoção da saúde
mental, a avaliação, diagnóstico e definição de estratégias terapêuticas para situações de
perturbação mental e também a intervenção preventiva em grupos de risco. No entanto este
trabalho, apenas desenvolve-se com a articulação de outras especialidades, como a Pediatria e
a Psicologia da Infância e da Adolescência.


Dada a grande diversidade dos quadros psicopatológicos encontrados na infância e
adolescência exige-nos, enquanto profissionais de saúde, a ter uma elevada diferenciação
permitindo o diagnóstico e a implementação de intervenções adequadas às várias etapas do
desenvolvimento, não só porque cada uma delas apresenta um grupo de patologias específicas
dessa faixa etária, mas também porque a expressão sintomática de uma determinada
patologia se pode manifestar de forma distinta ao longo do desenvolvimento.


No entanto a escassez dos psicólogos, nomeadamente nas consultas de crise/ emergência,
impede que em muitos casos se possa proceder à necessária intervenção psicoterapêutica, nas
diversas modalidades, levando a um excedente (por vezes desnecessário) recurso a
psicofármacos, cada vez mais elevado. Salientando-se que a intervenção psicofarmacológica
deve ser, sempre que possível evitada, e quando utilizada devemos enquadrada numa
resposta multidisciplinar e em casos em que os recursos psicoterapêuticos não conseguem
atuar por si só.


O diagnóstico de situações psicopatológicas e de risco e a implementação atempada de
estratégias preventivas e terapêuticas deve, pois transformar-se numa prioridade. Sendo cada
vez mais prioritário a Consulta de Emergência / Crise Psicológica na Infância e Adolescência
juntamente com a Consulta de Crise Psiquiátrica.

Quando devo levar o meu filho ao psicólogo

Julho 21, 2021 em Atualidade, Concelho, Opinião, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

São muitos os mitos existentes acerca do acompanhamento psicológico com crianças e adolescentes, especialmente nas faixas etárias mais tenras. Os pais, preocupados com o bem-estar e ajustamento psicológico dos seus filhos, temem frequentemente solicitar o apoio psicológico.

Quando nossos filhos tem febre, dor ou algum outro sintoma físico, imediatamente agendamos uma consulta com o pediatra. Mas, quando eles estão com algum problema que afeta a saúde mental e bem-estar psicológico, nem sempre conseguimos identificar os sinais assim, de primeira. Em outras situações existe o receio de reconhecer que se precisa de ajuda com o medo de os pais serem classificados como não sendo competentes ou sendo os culpados pela condição atual da criança.

Reconhecer a difícil missão de ser pai e enfrentar este desafio recorrendo ao apoio psicológico é um ato que manifesta um profundo sentido de responsabilidade e respeito. Tal decisão não revela incapacidade ou fraqueza dos pais, mas antes um forte sentido de pertença e entrega pelos seus filhos, devendo por isso ser aplaudida.

Há inúmeros motivos que podem levar pais e responsáveis a procurar um psicólogo.

Quando devo recorrer ao Psicólogo Infantil?

O psicólogo infantil é um profissional especializado que pode ser um forte aliado na promoção do desenvolvimento harmonioso das crianças.

A criança evidencia algum comportamento prejudicial à sua qualidade de vida como por exemplo

• Dificuldades:

Comportamentais: agressividade;
Emocionais tais como ansiedade, fobia, isolamento social e depressão;
Relacionais com pais, professores, colegas ou outros;
Atenção e concentração;
Aprendizagem
Autismo
Sono.

• Perturbações:

De eliminação: enurese (dificuldade de controlo da urina, sobretudo durante o sono) e ecoprese (dificuldades de controlo das fezes);
Sono.

• Situações familiares impactantes como adoção, divórcio, maus-tratos.
• Processo de luto.
• Alterações ou distúrbios alimentares tais como recusa alimentar, anorexia e bulimia

A partir de que idade as crianças podem passar no psicólogo?

O psicólogo infantil começa atender crianças por volta de 1 ano e meio de idade.

Em que consiste o acompanhamento de Psicologia Infantil?

O apoio psicológico é feito numa perspectiva de intervenção breve e com fases distintas.

O psicólogo infantil tem uma formação que lhe permite estabelecer com a criança uma relação que lhe forneça segurança para encarar o espaço proporcionado enquanto momento de partilha e validação emocional. A forma de falar, o tom, a postura que usa criam um ambiente de acolhimento e confiança.

Antes do início da psicoterapia, o psicólogo realiza entrevistas iniciais com os pais para reunir informações sobre a história da criança e da família. Só após esse contacto inicial, é que o psicólogo tem condições para avaliar a condição psicológica e, posteriormente, o número de sessões que necessitará, assim como a periodicidade das mesmas.

Habitualmente as sessões têm um carácter semanal numa fase inicial, passando depois para quinzenais até a fase do follow up (por ex: monitorização de 3 em 3 meses ou 6 em 6 meses que pode ser realizada presencialmente ou pelo telefone). A duração média das sessões é de 30-40 minutos.

Como é realizado o acompanhamento de Psicologia Infantil?

Durante a psicoterapia, o psicólogo utiliza essencialmente recursos lúdicos para compreender os sentimentos, pensamentos e angústias das crianças através das brincadeiras. É de salientar que cada criança, cada faixa etária exigi recursos específicos para a sessão fluir.

Por sentir-se aceite e compreendida no contexto que lhe é proporcionado, a par das estratégias utilizadas por estes profissionais, verificam-se melhorias significativas no comportamento das crianças em casa e na escola.

A saúde mental e psicológica das crianças e adolescentes jamais deverá ser ignorada.

Não desvalorize os sinais que as crianças e os adolescentes nos vão apresentando porque todos os sintomas são reais.

Lembre-se que não é possível “carregar num interruptor e desligar os sintomas”. Os problemas de Saúde Psicológica não dependem da “força de vontade” , é natural que, por muito que a criança ou adolescente queira sentir-se melhor e comportar-se de forma diferente, não o consiga fazer.


Procurar ajuda é um sinal de força e não de fraqueza.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Ir Para Cima