Tag archive

Reciclagem - page 2

Apresentação de Campanha Nacional “O Futuro do Planeta não é reciclável” realiza-se a 07 de outubro

Outubro 2, 2020 em Atualidade, Economia, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Campanha levada a cabo pela EGF, grupo onde se inclui a RESULIMA

No próximo dia 07 de outubro, pelas 10h30, o Teatro Thalia, em Lisboa, recebe a apresentação da Campanha Nacional “O Futuro do Planeta não é reciclável”.



O evento é organizado pela EGF, grupo no qual se integra a RESULIMA, empresa responsável pela recolha dos resíduos para reciclagem aqui no concelho de Barcelos. O referido grupo considera que está será a “maior campanha de sensibilização ambiental de sempre, desenvolvida pelas suas concessionárias e cofinanciada pelo POSEUR”.

A cerimónia contará com a presença da Secretária de Estado do Ambiente, Inês dos Santos Costa, e do Presidente do Conselho de Administração da EGF, Emídio Pinheiro.

Dado o enquadramento atual, e considerando as indicações das entidades de saúde relativas à pandemia, poderá assistir ao evento através do site www.egf.pt, onde será transmitido em streaming.

Programa:

10h30 – Receção convidados (abertura do sinal)

11h00 – Introdução – por Ana Loureiro, Diretora de Comunicação EGF

11h15 – Apresentação da campanha: “porquê e para quê?” – por Emídio Pinheiro, Presidente Conselho de Administração EGF

11h25 – Encerramento – por Inês dos Santos Costa, Secretária de Estado do Ambiente

Imagem: DR.

Reciclagem cresceu 10% no primeiro semestre na área coberta pela RESULIMA

Agosto 4, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Mais equipamentos e mais participação dos cidadãos

A RESULIMA, responsável pelo tratamento e valorização de resíduos urbanos nos 6 municípios do Vale do Lima e Baixo Cávado, registou, no primeiro semestre de 2020, um aumento na recolha seletiva de 10% face ao período homólogo de 2019.



“Este crescimento da recolha seletiva resulta de investimentos muito significativos que têm vindo a ser concretizados, cofinanciados pelo Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos (POSEUR), na aquisição de novos veículos de recolha, ecopontos e ações de comunicação e sensibilização ambiental, o que se tem traduzido numa participação efetiva e crescente dos cidadãos nos hábitos de reciclar”, refere a empresa em nota.

A RESULIMA dispõe, em 2020, de uma rede de 1.960 ecopontos distribuídos pelos municípios de Arcos de Valdevez, Barcelos, Esposende, Ponte da Barca, Ponte de Lima e Viana do Castelo, nos quais são depositados os resíduos valorizáveis. Nestes municípios, a recolha seletiva por material, registou um aumento de 8% no papel/cartão, 16% no plástico/metal e 9% de vidro.

“Analisados os números do primeiro semestre de 2020, pode-se afirmar que a reciclagem tem evoluído de forma positiva e que os desafios de 2020 têm sido ultrapassados, perspetivando-se um ano positivo para a reciclagem na região”, conclui.

A RESULIMA é responsável por assegurar o tratamento e valorização de resíduos, da forma ambientalmente mais correta e economicamente sustentável, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e do ambiente nos municípios de Arcos de Valdevez, Barcelos, Esposende, Ponte da Barca, Ponte de Lima e Viana do Castelo. A empresa serve cerca de 309,5 mil habitantes, numa área geográfica de 1.743 km2.

Fonte e imagem: RESULIMA.

Foto: DR.

Marca WONTHER arranca com iniciativa única em Portugal de reciclagem de materiais preciosos

Julho 29, 2020 em Atualidade, Economia, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Até 31 de agosto de 2020 vai aceitar peças de prata usadas ou indesejadas, oferecendo 20% de desconto em compras

O ético e sustentável já faz parte do ADN da WONTHER, a nova marca de joalharia portuguesa. Depois de ter sido a única marca em Portugal certificada pelo Responsible Jewellery Council, a WONTHER dá mais um passo em direção à sustentabilidade.



Com a campanha LOVE, GIVE BACK, REPEAT, a marca quer incentivar a circulação de metais preciosos e dinamizar a indústria da joalharia portuguesa.

De 23 de julho a 31 de agosto de 2020, a WONTHER vai aceitar todas as peças de prata usadas ou indesejadas, em troca de 20% de desconto na próxima compra.

“Com esta campanha, que promove a reciclagem e reutilização de materiais preciosos, a WONTHER e todos os portugueses podem ajudar a diminuir a mineração e a poluição provocada por esta indústria, que é a segunda mais poluente do mundo”, refere em nota.

“O sustentável já não é apenas uma tendência, tem de ser a nossa realidade. Não existem metais preciosos 100% limpos ou ecológicos a não ser que sejam reciclados. Além disso, uma peça de joalharia pode ser reciclada sem perder quaisquer particularidades”, refere Olga Kassian, fundadora da WONTHER.

“Com esta iniciativa, a WONTHER acredita que vai influenciar outras marcas a repensar modelos de negócio e a adotar práticas mais sustentáveis, até porque é isso que o mercado nos mostra: os consumidores estão mais atentos às políticas eco-friendly das marcas, fator decisivo na escolha final”, acrescenta a criadora.

As peças podem ser enviadas ou entregues diretamente na Praça Conde de Agrolongo 123, 4700-312 Braga. Posteriormente, a marca irá reciclar deviamente cada peça, dando-lhes uma segunda oportunidade.

Foto: DR.

Entidades gestoras de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos procuram solução conjunta para o cumprimento das metas nacionais de recolha

Julho 28, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

As três entidades gestoras de resíduos elétricos e eletrónicos com atividade em Portugal – ERP PortugalAssociação Gestão de Resíduos, ElectrãoAssociação de Gestão de Resíduos, e WeeecycleAssociação de Produtores de EEE, uniram esforços no combate aos problemas que o Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (SIGREEE) enfrenta.



Depois de a União Europeia ter aumentado as metas de recolha de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos para 65% em 2019, o que equivale a cerca de 103 066 toneladas segundo o Ministério do Ambiente, o SIGREEE demonstrou grandes dificuldades em concretizar o objetivo nacional, tendo ficado aquém dos valores definidos. Como forma de não perpetuar esta situação, as três entidades pretendem realizar um estudo profundo em todo o sistema para detetar onde se está a falhar e, em conjunto, encontrar soluções que permitam a Portugal atingir as metas impostas.

Um dos principais problemas já detetados prende-se com a existência de canais informais que desviam estes resíduos do circuito do SIGREEE levando à diminuição das quantidades recolhidas e contabilizadas pelas entidades gestoras.

Outra das ameaças está relacionada com determinados componentes destes resíduos que têm obrigatoriamente de ter um tratamento especifico. Este processo, que é legalmente exigido aos recicladores do SIGREEE, não é cumprido por atores informais devido ao seu custo, o que apresenta um grave problema de segurança ambiental.

As entidades gestoras pretendem também que a legislação seja alvo de análise, para o reforço da aplicação dos requisitos legais com o objetivo de garantir um desempenho ambiental elevado e custo-eficiente.

Rosa Monforte, Diretora-Geral da ERP Portugal, considera que “há diversas falhas no sistema. Desde o mercado alternativo, que retira do circuito grandes quantidades de resíduos que poderiam ser corretamente encaminhados e contabilizados para as metas, mas também do lado da fiscalização e mesmo do consumidor em colocar os seus equipamentos avariados nos locais apropriados. Este estudo é um grande passo que acreditamos que poderá trazer boas perspetivas sobre aquilo que temos de melhorar”.

Pedro Nazareth, Director-Geral do Electrão – Associação de Gestão de Resíduos, referiu que “a novidade deste trabalho está no empenho conjunto das 3 entidades promotoras em envolver os operadores de tratamento e reciclagem e outros atores desta cadeia de valor para se encontrar um entendimento partilhado para abordar os diversos aspetos condicionadores do bom desempenho ambiental deste sistema.  O Electrão tem um entendimento específico sobre alguns destes aspetos críticos, expresso na agenda de elétricos para o cumprimento das metas nacionais de reciclagem, mas pretende agora colocar a tónica na procura do terreno comum com todos os outros agentes, para ultrapassar este impasse e promover as alterações necessárias à política de gestão de resíduos.”

Carla Gonçalves, Diretora-Geral da WEEECYCLE – Associação de Produtores de EEE, menciona que “há REEE que não são recolhidos seletivamente (via entidades gestoras), o que potencia que os mesmos não tenham o destino final mais adequado, pelo que se torna necessária uma participação mais ativa e controlada aos mesmos. Com o envolvimento das 3 entidades gestoras na realização de um estudo conjunto, será possível cooperar no sentido de alcançar melhorias na implementação de todo o processo de recolha e tratamento de REEE. Este estudo contribuirá para definir as estratégias que possibilitem atingir as metas nacionais de recolha de uma forma eficiente.”

Elaborado pela empresa de consultoria ambiental 3Drivers, o estudo vai estar concluído até ao final do ano e vai contar com a criação de um comité composto por representantes das várias empresas e instituições da cadeia de gestão e do sistema, nomeadamente Entidades Gestoras, produtores, empresas da rede de receção de REEE, empresas de recolha e transporte, operadores de tratamento e valorização, a Agência Portuguesa do Ambiente e a Direção das Atividades Económicas.  A consultora vai ainda identificar técnicas e boas práticas aplicadas internacionalmente, que possam ser declinadas em contexto nacional como forma de promover o cumprimento dos objetivos definidos.

O Electrão – Associação de Gestão de Resíduos é a entidade responsável por três dos principais sistemas de recolha e reciclagem de resíduos: equipamentos elétricos usados, pilhas usadas e embalagens usadas. Gere uma rede de recolha de equipamentos elétricos e pilhas usadas com mais de 5.500 locais de recolha dispersos por todo o território nacional e é também responsável pela reciclagem de embalagens de todo o País. A sua principal missão é assegurar a reciclagem dos resíduos recolhidos, contribuindo para a minimização do impacto ambiental e para um reaproveitamento dos materiais que os constituem, como promotor da economia circular.  Desenvolve diversas campanhas de comunicação e sensibilização com o objetivo de promover uma maior consciencialização ambiental e uma mudança de comportamentos, e a separação para a reciclagem, das quais se destaca o Quartel Electrão, a Escola Electrão e o TransforMAR.

A ERP Portugal pertence a uma plataforma pan-Europeia, European Recycling Platform (ERP), fundada em dezembro de 2002. Esta plataforma tem uma quota de mercado entre 12% e 35% e já recolheu mais de 3 milhões de toneladas de REEE (Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos) na Europa. A 27 de abril de 2006, através de um despacho conjunto emitido pelo Ministério da Economia e Inovação e pelo Ministério do Ambiente e Ordenamento do Território, obteve a licença para exercer a atividade de Gestão de REEE, tendo a mesma sido renovada a 25 de maio de 2018 (Despacho nº 5258/2018). A licença para fazer a gestão de Resíduos de Pilhas e Acumuladores (RP&A) Portáteis e Industriais Incorporáveis em Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (EEE) foi atribuída pelo Ministério do Ambiente e do Ordenamento do Território, em 2010, e renovada através do Despacho nº 11275-A/2017. A ERP assume como missão assegurar a implementação mais rentável de um Sistema de Gestão de REEE e RP&A, para o benefício dos seus utentes e empresas, dando lugar a oportunidades de negócio e vantagens competitivas. A ERP já está a operar nos seguintes países: Alemanha, Áustria, Dinamarca, Eslováquia, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Irlanda, Itália, Noruega, Polónia, Portugal, Reino Unido, Suécia e Israel.

A WEEECYCLE- Associação de Produtores de EEE é uma Entidade Gestora do fluxo dos Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos, sediada no Porto. No seguimento da Licença que lhe foi atribuída, segundo o Despacho nº 5256/2018, de 25 de maio, os seus principais objetivos passam por assumir a RAP – Responsabilidade Alargada do Produtor – das empresas Produtoras de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos em Portugal e por aumentar os níveis de recolha e reciclagem deste tipo de resíduos. Outro foco desta Entidade Gestora é apostar nas ações de Sensibilização, Comunicação & Educação. Considera que as crianças e jovens têm um papel determinante na mudança de paradigma relativamente aos resíduos e à importância da reciclagem por parte da sua envolvente familiar.

Foto: DR.

8ª edição da Escola Electrão premeia escolas de todo o país

Julho 15, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Educação, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Distrito de Braga recolhe mais de 6 toneladas de resíduos de equipamentos elétricos e pilhas e baterias

A Electrão – Associação de Gestão de Resíduos, no âmbito da 8ª edição da Escola Electrão, que decorreu no ano letivo 2019/2020, vai atribuir às escolas que participaram, e que recolheram equipamentos elétricos e pilhas e baterias usados, prémios que permitirão melhorar as condições da escola. Entre os prémios estão microscópios, impressoras, computadores, videoprojetores e tablets.



A 8ª edição da campanha Electrão envolveu mais de 350 escolas em todo o País, incluindo escolas da Madeira e dos Açores, e permitiu recolher mais de 125 toneladas de equipamentos elétricos, pilhas e baterias usados.

Só no distrito de Braga foram recolhidos mais de seis mil quilos de resíduos elétricos e eletrónicos, pilhas e baterias. O destaque vai para a Escola Básica Frei Caetano Brandão, que conseguiu ultrapassar uma tonelada de equipamentos recolhidos.

Numa edição que contou com muitas novidades e que foi concluída já durante o período de confinamento, com a grande maioria das escolas encerradas, os resultados obtidos superaram as expectativas e reforçam a importância da sensibilização para a separação de resíduos junto dos mais jovens.

Entre as novidades desta edição estava o Quiz Electrão, um jogo digital, inovador e pedagógico, que permitiu envolver os alunos num debate sobre temas essenciais como reciclagem, valorização de resíduos, recursos naturais e prevenção de incêndios. O quiz registou, também, uma grande adesão e participação por parte das escolas, tendo sido jogados um total de 6251 jogos de tabuleiro e travadas 3059 batalhas, uma modalidade que permitia criar competições entre os alunos da turma ou mesmo da escola. A pontuação de cada escola no Quiz contribuiu também para a atribuição dos prémios finais.

Além do Quiz, foi também distribuído pelas escolas o livro “Electrão? Conheço bem, muito obrigado!”. Destinado aos alunos do 2º ciclo, o livro fala sobre a importância da separação dos resíduos, da sua reciclagem e sobre o impacto que temos no ambiente, através de uma leitura divertida, com atividades e desafios.

A atribuição dos prémios foi efetuada com base num sistema de pontos, para os quais contou a quantidade de resíduos recolhida pela escola e a pontuação obtida no Quiz. Além dos equipamentos, as escolas irão também receber um valor proporcional à quantidade de resíduos recolhida – 50€ por cada mil quilogramas de equipamentos elétricos e eletrónicos usados e 75€ por cada mil quilogramas de pilhas entregues –  o que significa que no total serão distribuídos mais de 10.000 € em prémios.

A Electrão – Associação de Gestão de Resíduos é a entidade na área da responsabilidade alargada do produtor com maior relevância a nível nacional, atuando na gestão de três fluxos de resíduos: equipamentos elétricos, pilhas e baterias, e embalagens. Recebe a confiança de mais de 1500 Produtores e Embaladores, a quem presta serviços nesta área. Gere uma rede com mais de 5500 locais de recolha de equipamentos elétricos e pilhas e baterias usados, assegurando o correto encaminhamento destes resíduos, bem como os resíduos de embalagens recolhidos pelos sistemas municipais, para tratamento e reciclagem. É um dos principais promotores da economia circular no País e desenvolve diversas campanhas de comunicação e sensibilização para a correta separação de resíduos e para a mudança de comportamentos e para um consumo mais sustentável.

Imagens: DR.

Reciclagem: Barcelos no bom caminho, mas consegue ainda mais!

Julho 4, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Pedro Soares de Sousa

Caros leitores,

Antes de mais, espero que se encontrem bem ou, pelo menos, o melhor possível.

O artigo que hoje partilho convosco aborda a reciclagem, algo de que sou seguidor convicto, por vezes, quiçá, até em exagero. Mas sou-o com todo o gosto e isso faz-me sentir bem.



No início de junho, tive o prazer de ser recebido pelo Eng.º Rui Fernando Silva (Administrador Delegado) e pela Eng.ª Joana Cunha (Responsável pela Comunicação e Sensibilização) na sede da RESULIMA, em Vila Fria (Viana do Castelo), onde fiquei a conhecer melhor a empresa, assim como a central de separação e transferência. Desde já, agradeço por toda a atenção e amabilidade.

Esta empresa iniciou a atividade em 1998, com capital privado (51% – Grupo EGF) e público (6 municípios servidos pela empresa, sendo Barcelos, com 17,7%, o concelho com maior percentagem de capital). Serve uma área geográfica de 1.743 km2; 309,5 mil habitantes de população média anual residente; tem 99 colaboradores; e, em 2019, tratou 141 mil toneladas de resíduos. Encaminhou 14.506 toneladas de resíduos para valorização e reciclagem, resultando num crescimento da recolha seletiva de 16,9%. De 2018 para 2019, a retoma de recicláveis de vidro aumentou 11%, de papel/cartão 17%, de plásticos 7%, metais 18% e outros 14%. São dados que, certamente, nos agradam a todos!

Do aterro sanitário, que se encontra ao lado da referida central, resultou uma valorização energética de biogás, sendo vendidos 12 GWh de eletricidade à rede elétrica nacional. O valor da venda deste biogás, somado ao da venda (retoma) dos materiais para reciclar, ajuda a que a tarifa do lixo possa baixar, desde que permitido pelas entidades superiores que regulam, e bem, a RESULIMA, nomeadamente, o Governo e a ERSAR – Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos, assim como, pelos acionistas.

A nível pessoal, gostei imenso de ver os profissionais a separarem o lixo, principalmente, chegado dos ecopontos amarelos, onde se deposita uma maior gama de produtos. A “máquina” estava muito bem “oleada” e a cadência de produtos a cair nos cestos correspondentes era impressionante! Tal como a quantidade de fardos de material a ser reencaminhado para as empresas que tratarão do seu aproveitamento. De salientar, que, devido à pandemia, a empresa viu-se forçada a ter que deixar os resíduos recolhidos 72 horas em quarentena, antes de os colocar nas cintas para a sua separação e enfardamento.

O aterro sanitário é mesmo ao lado e posso garantir-vos que não se sentia, no ar, aquele mau odor a lixeira (e eu sei bem do que falo, por causa de algumas atividades que tive de realizar em emprego anterior…já lá vão uns bons anos). E estava um dia ventoso!

Os responsáveis que me receberam, nomeadamente, o Eng.º Rui Fernando Silva, fizeram questão de salientar que Barcelos melhorou na recolha e aumentou a quantidade (toneladas) de lixo enviado para separação e reciclagem. Este responsável fez questão, mesmo, de destacar que estavam muito agradados com estas melhorias por parte do concelho barcelense, ressalvando que esperam que melhore ainda mais, pois veem Barcelos como um concelho com imensas potencialidades e com grande margem de crescimento.

Também os empresários e comerciantes foram alvo de atenção, com o Administrador da RESULIMA a salientar que o serviço de recolha “porta a porta” do comércio barcelense tem atingido números muito bons, tão bons que, em breve, haverão novidades em relação ao reforço desse serviço. Algo que agradou, igualmente, foi a informação de que haverá um reforço de ecopontos no concelho de Barcelos, com a instalação de mais 139, sob responsabilidade da Câmara Municipal de Barcelos e da RESULIMA.

Em suma, estamos a melhorar, mas podemos – claro está – melhorar ainda mais.  Eu julgo que, com dedicação e empenho, Barcelos vai conseguir ainda mais e melhor. O carácter dos barcelenses diz-me que sim, que é possível!

Algumas dicas:

. As embalagens de leite (e similares) continuam a ser alvo de confusão por parte de muita gente, disseram esses responsáveis. Fiquei a saber que ainda chegam muitas nos lotes de papel/cartão, ou seja, do ecoponto azul. Estas embalagens devem ser depositadas no ecoponto amarelo.

. As cuvetes de alumínio, assim como os aerossóis (sprays) podem ser tratados e reciclados. Devem ser depositados no ecoponto amarelo, onde se depositam, também, as latas de refrigerantes e conservas, por exemplo.

. Infelizmente, os tubos vazios de pasta de dentes ainda não são alvo de separação e retoma.

. Cartão e papel que esteja um pouco sujo (mesmo com gordura – por exemplo, de pizas e comida) pode, e deve, ser depositado no ecoponto azul. É reciclável, tal como o papel e cartão com fita-cola, agrafos e pequenos vestígios de plástico.

. O óleo depositado nos oleões também é direcionado para o Centro de Vila Fria, de onde é direcionado para empresas que o reutilizam. Assim como o que escorre das embalagens de óleo e azeite que são separadas para retoma.

. O esferovite é passível de tratamento e reciclagem. Deve ser depositado no ecoponto amarelo.

. O vidro continua a ser depositado nos ecopontos em muita quantidade, talvez por questões sociológicas, já que este material foi o primeiro a ser alvo de separação. Quem não se lembra dos primeiros vidrões brancos, verdes e castanhos?

. Quase todo o material separado é prensado em fardos e enviado para as empresas responsáveis pelo seu reaproveitamento/reciclagem.

UCPT Paradela traz a reciclagem para o Século XXI

Segue-se o futuro. Muito se tem falado sobre a nova Central de triagem automatizada, mais concretamente, UCPT – Unidade de Confinamento, Preparação e Tratamento de resíduos urbanos, já em construção na freguesia de Paradela – Barcelos.

Esta Unidade vai trazer a recolha, tratamento, separação e reciclagem dos concelhos abrangidos pela RESULIMA para o século XXI, já que a existente é ainda de finais do século passado!

Aliás, com ela, a empresa, os concelhos abrangidos e suas populações, poderão atingir as metas PERSU 2020 (Plano Estratégico para os Resíduos Urbanos), estabelecidas pela Associação Portuguesa do Ambiente e pelo Governo.

Vai ser uma Unidade de alta tecnologia! Todo o lixo passará por uma máquina, numa cinta, que terá a capacidade, de uma forma automatizada, de separar o lixo por tipologia (plásticos, metais, papéis, cartões…). O lixo passível de compostagem será direcionado, igualmente, para um local onde essa será realizada, com o produto resultante a servir para, por exemplo, fertilizante. Apenas aqueles resíduos que não têm mesmo hipótese de serem tratados é que serão direcionados para aterro (espaços quadrados à direita na imagem que se segue), onde serão acondicionados e alvo de tratamento para prevenção de cheiros. Se já no atual aterro não se sentem cheiros (acreditem, estive lá ao lado e não senti, mesmo tendo sido num dia ventoso!), nesta Unidade, esses cheiros serão ainda mais difíceis de sentir. Para quem pensa que será igual à Unidade que “nasceu” na fronteira Laúndos – Barqueiros, desengane-se. Vai ser algo muito, mas mesmo, muito melhor, mais avançado e mais completo!

Compreendo que para as populações das zonas envolventes haja receios, que julgo serem quase todos infundados. Mas para mim, que ouvi as explicações destes responsáveis, esta Unidade deixou-me deveras agradado – também porque sou defensor acérrimo da reciclagem e tratamento do lixo e frontalmente contra os velhos aterros e as velhas lixeiras –, mais tranquilo e desejoso para que entre em funcionamento o quanto antes. Temos que entrar, finalmente, no século XXI!

Curiosidades:

Sabia que a RESULIMA “subcontrata” uma ave de rapina para afugentar outras aves, principalmente, as gaivotas, da zona do aterro para evitar que retirem lixo de lá e provoquem problemas sanitários? Eu não sabia e fiquei pasmo ao vê-la, quiçá, na sua hora de descanso, imponente, pousada no seu local de repouso!

Sabia que os funcionários da recolha, separação e tratamento de lixo, quer da RESULIMA, quer camarários, mantiveram-se sempre “na linha da frente”, não parando e continuando a ser dos profissionais que mais são expostos ao COVID-19? Mas a empresa garante que, por ora, ainda não teve um infetado sequer! Muito bem!!

Concluindo, deixo o apelo para que todos, quer barcelenses, quer de outras localidades, façam a separação do lixo e a sua correspondente deposição nos ecopontos, ilhas ecológicas ou outros locais destinados a isso. Vamos, todos juntos, lutar por um Ambiente melhor!

Por: Pedro Soares de Sousa* (Professor e Diretor do jornal Barcelos na Hora).

RESULIMA lança app “Recycle BinGo”

Outubro 8, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Cada vez que complete um cartão, o utilizador ganha ‘EcoMoedas’

Lançado em fevereiro pela VALORSUL, AMARSUL e VALORLIS, com o apoio do Fundo Ambiental do Ministério do Ambiente, o “Recycle BinGo” chega à Região do Norte, Vale do Lima e Baixo Cávado, pela mão da RESULIMA.



O “Recycle BinGo” é uma aplicação móvel que promete deixar as famílias residentes nos municípios de Arcos de Valdevez, Barcelos, Esposende, Ponte da Barca, Ponte de Lima e Viana do Castelo, com o “bichinho da reciclagem”, refere a empresa. Apesar de ser uma app, funciona sobretudo como um jogo que torna a experiência da reciclagem muito mais divertida e compensadora. Como?

“Simples. A missão principal do jogo é fazer visitas ao nosso Ecoponto Habitual. Através da geolocalização, o nosso Smartphone sabe que nos encontramos perto dele. Ao fazermos check-in, desbloqueamos um conjunto de simpáticos bichinhos, os ‘EcoGifts’, com os quais vamos preenchendo os nossos cartões ‘BinGo’. Cada vez que completamos um cartão, ganhamos ‘EcoMoedas’ – que podemos trocar por ótimos prémios, como bilhetes de cinema, vales de desconto, e muito mais”, esclarece a RESULIMA.

Além desta missão principal, a aplicação vai lançando missões especiais surpresa com o intuito de melhorar os conhecimentos dos portugueses sobre a reciclagem e manter o envolvimento com o Recycle BinGo. E, claro, recompensar os mais amigos do planeta.

O “Recycle BinGo” está disponível na App Store e no Google Play

A RESULIMA é uma empresa de referência no setor ambiental, sendo responsável por reciclar e tratar mais de 13 mil toneladas de resíduos, servindo 6 municípios e mais de 321 mil habitantes.

“Estamos certos de que esta associação da RESULIMA ao ‘Recycle BinGo’ nos vai ajudar a todos a cumprir as importantes metas de reciclagem com que Portugal se depara a curto prazo. Para que isso aconteça, é preciso que esta notícia se espalhe.Ajude-nos a espalhar o bichinho da reciclagem”, concluiu a empresa.

Imagem: RESULIMA.

Robô capaz de reciclar 200 iPhones por hora

Abril 22, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora

Diogo Sendim Lourenço

A Apple apresentou, na passada quinta-feira, uma medida em celebração ao Dia da Terra, que ocorre hoje, que visa reduzir o impacto ambiental dos produtos fabricados pela companhia. O robô chamado “Daisy” é responsável por reciclar iPhones e consegue processar até 200 unidades do smartphone por hora.



Como a empresa americana recebe muitos aparelhos antigos, graças ao programa GiveBack (um iPhone velho é usado como parte pagamento para um modelo novo), ela precisa dar fim a um grande volume de sucata.

A “Daisy” chega para substituir o robô “Liam”, responsável pela reciclagem na Apple desde 2016 e que contribuiu com algumas peças para a criação de sua sucessora. Segundo a fabricante, o novo equipamento incorpora, ainda, alguns aprendizados acumulados pela companhia durante a existência do robô “Liam”. Isso torna a “Daisy” capaz de desmontar, com certa celeridade, nove versões diferentes dos smartphones da “Maçã”, removendo e separando peças a fim de recuperar itens que recicladoras convencionais não conseguem.

No início do mês, a Apple anunciou que 100% da energia utilizada por ela vem de fontes renováveis, um ótimo reforço para a saúde do planeta no que toca a redução do consumo de combustíveis fósseis e da poluição gerada por ele.

Por: Diogo Sendim Lourenço*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Câmara de Barcelos promove recolha de “monstros” domésticos

Março 16, 2018 em Atualidade, Concelho, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

A Câmara Municipal de Barcelos dispõe de um serviço de recolha de equipamentos e produtos/resíduos, os chamados “monstros” domésticos, como eletrodomésticos de grandes dimensões, equipamentos eletrónicos, móveis, colchões, entre outros, e que, dadas as suas características ou volume, não podem ser depositados nos ecopontos, nem nos contentores para lixo indiferenciado. Muitas vezes, estes objetos são incorretamente depositados nos ecopontos e nos contentores para o lixo, de forma desordenada e indiscriminada, ou deixados num qualquer terreno, como matas, descampados, bouças, etc.



A responsabilidade pela gestão destes equipamentos e do seu correto encaminhamento cabe aos respetivos proprietários ou detentores, que os enviam para os ecocentros. No caso de Barcelos, são encaminhados pelos seus proprietários para o Ecocentro existente nas instalações da RESULIMA, em Vila Fria, Viana do Castelo.

No caso de os proprietários não possuírem meios para a sua entrega, podem solicitar o serviço de recolha à Câmara Municipal, através do e-mail geral@cm-barcelos.pt ou através da página do Município, no link “A minha rua”.

Quanto aos “monstros domésticos” de particulares, e por forma a facilitar a sua correta gestão, o Município de Barcelos dispõe de um local situado no Parque de Viaturas – Rua do Faial, n.º 106 – 4750-783, em Vila Boa, onde podem ser depositados, todos os dias úteis.

Trata-se, em qualquer um dos casos, de um serviço gratuito onde, após confirmação da data e hora para a sua realização, o munícipe deverá colocar e acondicionar os resíduos a entregar em local de fácil acesso a definir pelos serviços municipais.

Em todas as situações, o proprietário é sempre identificado, bem como o tipo de material a entregar, quantidades, local onde o mesmo se encontra e um contacto telefónico expedito.

Fonte e foto: CMB.

Campanha de sensibilização “Feira Limpa” começa a dar resultados

Janeiro 30, 2018 em Atualidade, Concelho, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

O Município de Barcelos está a promover uma campanha de sensibilização ambiental junto dos feirantes da Feira Semanal, apelando a que, no final do dia, os lugares fiquem limpos, fazendo a correta deposição dos resíduos nos respetivos ecopontos e contentores.



A referida campanha teve início no dia 18 de janeiro de 2018 com a distribuição de flyers, cujo objetivo era alertar para a importância da redução da produção de resíduos e incentivar os feirantes a adotar comportamentos, de modo a deixarem o seu espaço limpo e asseado, depositando os resíduos por si produzidos nos ecopontos, contentores ou deixando acondicionados segundo a sua tipologia (cartão / papel e plástico). No final do dia, de acordo com dados apontados pelo Município, o acondicionamento do material reciclável aumentou cerca de 30%, relativamente às semanas anteriores.

Esta ação foi reforçada no dia 25 de janeiro, de forma a explicar, novamente, os procedimentos a adotar e esclarecendo todas as dúvidas, sensibilizando e orientando os feirantes para a limpeza e conservação do espaço. Ao fim do dia, foi possível verificar que a quantidade de resíduos aproveitados e valorizados ultrapassou os 60%, ainda de acordo com o Município.

Dado o efeito positivo da ação, a iniciativa continuará durante as próximas semanas com o mesmo procedimento, sendo que o principal objetivo do Município é “atingir os 100% de aproveitamento do material reciclável”.

De acordo com este, “esta campanha tem uma dupla função: por um lado, é um apelo à separação de resíduos, com evidentes ganhos ambientais e, por outro, contribuir para uma imagem da Feira Semanal como um espaço limpo e asseado, respeitado por todos e que contribua para que cada vez mais pessoas frequentem aquela que é a uma das mais emblemáticas feira tradicionais do país e um dos principais atrativos da cidade à quinta-feira”.

Fonte e fotos: CMB.

Ir Para Cima